MOBILIDADE

Agamenon Magalhães receberá Faixa Azul até o fim do ano

A expectativa é de que os ganhos de velocidade cheguem a 45% em algumas linhas

Amanda Rainheri
Amanda Rainheri
Publicado em 08/05/2018 às 8:15
Foto: Arnaldo Carvalho/ JC Imagem
A expectativa é de que os ganhos de velocidade cheguem a 45% em algumas linhas - FOTO: Foto: Arnaldo Carvalho/ JC Imagem
Leitura:

Após sucessivos projetos de priorização do transporte público que não saíram do papel, a Avenida Agamenon Magalhães se prepara para receber a Faixa Azul em seus 4,8 quilômetros de extensão, que cortam oito bairros do Recife. A meta da Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano do Recife (Semoc) é implantar o corredor exclusivo da via mais importante da cidade no segundo semestre deste ano, com ganhos de velocidade que poderão chegar a 45% para algumas linhas, que passariam de 14,5 quilômetros por hora para 21 quilômetros por hora, conforme simulação apresentada a grupos da sociedade civil.

“Essa é a maior intervenção de tráfego que vamos fazer este ano na cidade, mas nossas simulações mostraram que se não realizássemos outras mudanças o ganho de velocidade para os ônibus seria mínimo, então estamos fazendo todas as alterações apontadas no estudo realizado e que traz como prioridade o pedestre e o transporte público”, explica o secretário de Mobilidade e Controle Urbano do Recife, João Braga.

Alterações de tráfego já foram realizadas na Ilha do Retiro e na Ilha do Leite, área Central do Recife. E outras estão prestes a ser implantadas entre os bairros da Encruzilhada e Espinheiro, na Zona Norte; no Derby, área Central, e na Avenida Conde da Boa Vista, Centro. “Vamos desestimular o tráfego de veículos na Avenida Conde da Boa Vista e no Derby temos dois importantes eixos de transporte, o Norte-Sul e o Leste-Oeste que precisam de uma solução mais complexa ainda em discussão”, salienta Braga.

As melhorias projetadas para a Avenida Agamenon Magalhães não são apenas para os 280 mil passageiros das 60 linhas de ônibus que circulam na via, mas também para os milhares de pedestres que caminham por ela e encontram muita dificuldade nas travessias das duas pistas principais que têm quatro faixas cada, além das duas faixas de cada marginal.

“Quatro faixas é um percurso longo e muitos correm para atravessar, então vamos ter ilhas para travessia, reforço na sinalização para o pedestre e nova programação semafórica”, destaca a gestora de planejamento de trânsito da Autarquia de Trânsito e Transporte do Recife (CTTU), Kelly Pereira. Uma passarela está prevista na altura do Hospital Português, onde a agulha de entrada na pista marginal será removida.

Entre 2016 e 2017, a Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana (Emlurb), em parceria com a Semoc, nivelou e melhorou alguns trechos dos passeios da avenida, ao custo de R$ 545 mil, além de ter investido mais R$ 3,5 milhões em uma nova iluminação em LED, já trabalhando na requalificação da avenida, conforme informação de sua assessoria. Atualmente, melhorias no pavimento estão em andamento.

PROPOSTAS

O último projeto para priorizar o transporte público na Agamenon foi o de um ramal de BRT, que sairia em bifurcação do corredor Norte-Sul, na altura do Shopping Tacaruna, e iria até o Terminal Integrado Joana Bezerra, com nove estações no caminho. “A Faixa Azul não inviabiliza o ramal de BRT”, salienta Braga.

Questionada se o projeto foi descartado, a Secretaria Estadual das Cidades encaminhou nota informando que “está concluindo os estudos necessários” e “verificando interferências, tais como redes de água, gás e energia; bem como os impactos que serão gerados durante o período de implantação do corredor”. Projetos para construção de quatro viadutos cortando os principais cruzamentos da avenida e de um corredor exclusivo para ônibus sobre o canal já foram discutidos e descartados.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias