Atropelamento

'Aqui mora gente, não mora bicho não', diz parente de homem que morreu após ser atropelado na BR-101, no Recife

Na manhã desta segunda, moradores da Vila dos Milagres realizaram um protesto na BR-101

Mayra Cavalcanti
Mayra Cavalcanti
Publicado em 20/01/2020 às 11:00
Notícia
Foto: Bruno Campos/JC Imagem
FOTO: Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Leitura:

Atualizada às 13h25

"Desta forma que está a BR não dá. Não tem lombada, não tem passarela. Aqui mora gente, não mora bicho não". A frase é da estudante Hilda Pereira, de 23 anos, sobrinha do motorista de caminhão Luís Pereira dos Santos, de 51 anos, que morreu depois de ser atropelado por um carro na noite desse domingo (19), no quilômetro 74 da BR-101, no bairro do Ibura, na Zona Sul do Recife. Assim como Hilda, moradores da comunidade da Vila dos Milagres, motivados pela morte de Luís, realizaram um protesto na manhã desta segunda-feira (20). Durante o ato, um ônibus chegou a ser queimado e outro depredado.

"Ele tinha passado o domingo na praia do Pina com os filhos e os netos. Eles vieram de ônibus e o meu tio veio de bicicleta. Na travessia, aconteceu esta fatalidade com ele. Ele não foi o primeiro e não vai ser o último, infelizmente. Há dois meses, uma criança também foi atropelada, hoje em dia ela está bem. Com meu tio foi pior, tiraram a vida dele", afirma. Segundo ela, Luís morava na Vila dos Milagres e trabalhava em um armazém de construção. Ele era casado e tinha quatro filhos. "Não deu tempo de ele ser socorrido, a pancada foi na cabeça. Queremos justiça. Primeiro a de Deus e depois queremos a justiça do homem", comentou a sobrinha.

Após o atropelamento, o corpo do motorista de caminhão foi levado para o Instituto de Medicina Legal (IML), no bairro de Santo Amaro, na área Central do Recife. O velório e o enterro de Luís acontecem na tarde desta terça-feira (21), às 14h, no Cemitério da Várzea, na Zona Oeste. Na manhã desta segunda, moradores da Vila dos Milagres realizaram um protesto no local, pedindo a instalação de lombadas eletrônicas e de uma passarela de pedestres. De acordo com os manifestantes, os acidentes são constantes na área.

Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Manifestantes atearam fogo em um ônibus da empresa Vera Cruz - Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Foto: Bruno Campos/JC Imagem
O protesto ocorreu na BR-101, na Vila dos Milagres, no Ibura - Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Foto: Bruno Campos/JC Imagem
O Corpo de Bombeiros foi acionado às 7h30 para conter as chamas - Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Trânsito ficou interditado nos dois sentidos da BR-101 - Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Entulhos também foram queimados na BR-101 - Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Ônibus da Vera Cruz depredados pelos manifestantes na BR-101 - Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Motoristas tentaram desviar do protesto acessando o canteiro central da BR-101 - Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Ônibus da Vera Cruz depredados pelos manifestantes na BR-101 - Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Foto: Bruno Campos/JC Imagem
Trânsito ficou interditado nos dois sentidos da BR-101 - Foto: Bruno Campos/JC Imagem

"Antigamente tinha uma passagem que eles fizeram para quem precisava. Hoje já não existe mais esta passagem. Todo quilômetro 75, que pega a Vila dos Milagres, não tem passarela para que a gente consiga passar com segurança. O que acontece? Mais um pai de família que morreu", declarou Nelson Evangelista, presidente do Núcleo de Assistência Social do Ibura. Ele relata que o equipamento já foi solicitado diversas vezes ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). "Todo ano são dois ou três acidentes aqui por atropelamento e o poder público não vê isto. Sem contar as lombadas eletrônicas que existiam aqui, estavam ativas e agora não estão mais funcionando. Quer dizer, todo mundo passa aqui a 120, 110 km/h, passa como quer", diz Nelson, em entrevista à repórter Mônica Ermírio, da TV Jornal.

Sobre o incêndio no ônibus e a depredação de outro coletivo, Nelson acrescenta que a intenção era fazer um ato pacífico, no entanto, "a revolta da população foi maior". Os coletivos pertenciam à empresa Vera Cruz. Um deles fazia a linha 216 - TI Barro/TI Cajueiro Seco e o outro a linha 103 - UR-11/Barro. O primeiro transporta uma média de três mil passageiros por dia, enquanto o segundo, dois mil.

O Grande Recife Consórcio de Transporte, por meio de uma nota, afirmou que toda empresa tem uma frota reserva, que entra em circulação para substituir os veículos danificados. Porém, o ocorrido afetou a operação de cinco linhas, sendo elas, 128 – UR-03/Barro (Milagres), 103 – UR-11/Barro, 205 – UR-05/Barro (BR-101), 206 – TI Barro/TI Prazeres (Jordão) e 216 – TI Barro/TI Cajueiro Seco. O veículo que foi queimado ficou completamente destruído e foi preciso que o Corpo de Bombeiros comparecesse ao local para controlar as chamas. O outro ônibus teve as janelas danificadas.

A reportagem entrou em contato com a Polícia Civil para saber se os dois casos, do acidente e dos ônibus depredados, estão sendo investigados pela corporação. A PC declarou que autuou em flagrante delito por roubo dois homens suspeitos de depredação e roubo. Segundo a polícia, os dois estavam com um galão de combustível e uma pessoa teria reconhecido eles como suspeitos de terem levado a renda dos ônibus. Eles foram encaminhados para a Central de Plantões da Capital e, em seguida, para audiência de custódia. 

Motorista tem multas por excesso de velocidade

Em entrevista à TV Jornal, o Inspetor Guerra, da Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que Luís Pereira estava a pé, empurrando sua bicicleta para atravessar a rodovia, quando foi atropelado. "Provavelmente, o carro estava em alta velocidade, porque foram retirados os dispositivos redutores de velocidade, que aqui é de 50 km/h, visto que a rodovia ainda está em obras, mas a fiscalização não é muito eficiente aqui", disse o policial. Ainda segundo ele, o condutor do veículo fugiu do local, após ser ameaçado por moradores da comunidade.

Em consulta da placa no site do Departamento Estadual de Trânsito de Pernambuco (Detran-PE), é possível observar que o veículo, do modelo Onix, possui oito infrações computadas, sendo uma delas por dirigir sem Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e duas por transitar em velocidade acima do permitido em 20%. Uma das multas ocorreu na BR-101, no quilômetro 44, em Igarassu, em 2015. De acordo com a PRF, o atropelamento ocorreu por volta das 21h40 desse domingo (19), no quilômetro 74.

DNIT diz que está instalando radares nas rodovias

Sobre o caso, o DNIT emitiu uma nota, afirmando que, devido a acordo judicial homologado em julho pela Justiça Federal, está sendo priorizada a instalação de 1.140 radares eletrônicos. "O DNIT está cumprindo o acordo judicial. Há equipamentos cujos projetos estão em fase de aprovação, há outros equipamentos já instalados à espera de verificação do INMETRO para começarem a operar, e há equipamentos instalados e em operação. Em função da dinâmica do processo de instalação dos equipamentos, ainda não temos esse balanço fechado. Informamos que está prevista a implantação de redutor eletrônico de velocidade neste trecho da BR-101/PE (Vila dos Milagres), visando reforçar a segurança viária e facilitar a travessia dos usuários na região, tão logo sejam concluídos os estudos técnicos de instalação com esta finalidade, os quais se encontram em andamento.", relatou o órgão.

Radares nas rodovias

A utilização dos radares móveis nas rodovias federais brasileiras havia sido suspensa em agosto de 2019, após a publicação de um despacho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Na época, foram revogados atos administrativos sobre a atividade de fiscalização eletrônica de velocidade em rodovias. No dia 11 de dezembro, a Justiça Federal em Brasília decidiu revogar a determinação do presidente. Na decisão, o juiz Marcelo Gentil Monteiro, da 1ª Vara Federal Cível, atendeu a um pedido liminar feito pelo Ministério Público Federal (MPF) e entendeu que a falta de radares pode causas danos à sociedade.

A fiscalização voltou a ser feita no dia 23 de dezembro, quando a PRF informou que havia reativado a fiscalização com o uso de radares móveis e portáteis. Dados do órgão mostram que as mortes nas estradas aumentaram após a retirada dos equipamentos. A PRF testa 11 equipamentos com alcance de mais de mil metros com imagens de alta definição. Segundo a corporação, o objetivo é flagrar motoristas que abusam da velocidade e pisam no freio quando se aproximam do radar. 

Últimas notícias