Obras

Reforma da Avenida Presidente Kennedy, em Olinda, gera embate entre Prefeitura e Câmara de Vereadores

As obras na Avenida Presidente Kennedy tiveram início nessa segunda-feira (3)

Mayra Cavalcanti
Mayra Cavalcanti
Publicado em 04/02/2020 às 8:29
Notícia
Foto: Léo Motta/JC Imagem
As obras na Avenida Presidente Kennedy tiveram início nessa segunda-feira (3) - FOTO: Foto: Léo Motta/JC Imagem
Leitura:

A reforma da Avenida Presidente Kennedy, em Olinda, começou nessa segunda-feira (3) com um embate entre a prefeitura e a Câmara de Vereadores da cidade. De um lado, o prefeito Lupércio Nascimento (SD) alega que conseguiu financiamento de R$ 20 milhões para a obra, com a Caixa Econômica, mas não teve autorização da Câmara para a liberação da verba. Na outra ponta, o presidente da Casa, vereador Jorge Federal (PL), argumenta que o projeto enviado pela Executivo municipal não foi votado por ser incompleto.

“Aguardamos a benevolência do presidente da Câmara e dos outros vereadores que ainda não se decidiram se estão conosco nesse projeto ou não”, declara Lupércio Nascimento. “A prefeitura apresentou um projeto de R$ 20 milhões para a obra na Presidente Kennedy e outras vias, a taxa de juros é muito alta e essa dívida pode ficar para outro governante porque o mandato dele acaba este ano”, afirma Jorge Federal. Ele disse que o assunto será discutido a partir de hoje com o retorno do ano legislativo.

Destino

De acordo com o prefeito, do total de recursos aprovados pela Caixa Econômica, cerca de R$ 5 milhões seriam destinados ao recapeamento e pavimentação de vias transversais e paralelas à Presidente Kennedy. Ele cita a Avenida Brasília, a Avenida Antônio da Costa Azevedo e a Rua da Areia. “Se o empréstimo dos R$ 20 milhões não forem liberados, faremos só a obra da Kennedy, não teremos a mesma velocidade, mas a população pode ficar tranquila porque esse serviço terá começo, meio e fim”, ressalta Lupércio Nascimento.

Sem detalhar as informações que a prefeitura ainda não esclareceu, Jorge Federal disse que o projeto foi debatido em dezembro passado, antes do recesso parlamentar. “O documento está sendo analisado pelas Comissões de Constituição e Justiça (CCJ), Orçamento e Finanças e de Obras. Os integrantes das três comissões vão dizer se as informações repassadas já são suficientes ou não para a autorização financeira.”

Orçada em R$ 15,4 milhões, a obra na Presidente Kennedy terá 18 meses de duração e prevê a recuperação de toda a via, que tem 4,5 quilômetros de extensão, com oito estações de ônibus, e se estende do bairro de Vila Popular até Águas Compridas. A prefeitura iniciou a intervenção com recursos próprios. “Temos em caixa dinheiro do pré-sal, são quase R$ 5 milhões, torço para que não seja necessário utilizar aqui na avenida, porém, se houver necessidade estamos prontos para fazer isso”, diz o prefeito.

Obstáculos

O assessor especial da prefeitura, Evandro Avelar, disse que 13 vereadores apoiam o projeto. “Outros quatro vereadores, incluindo o presidente da Câmara, estão criando obstáculos”, comenta o assessor. “Estou tranquilo com essa questão, precisamos de todas as informações, até exaurir as necessidades, o impacto financeiro é grande”, diz o vereador Jorge Federal.

Paradas de ônibus voltam às calçadas

O projeto da nova Presidente Kennedy prevê obras de drenagem, com a instalação de canaletas ao longo da avenida; recuperação das calçadas com a colocação de piso intertravado de concreto; e retirada das estações de ônibus do canteiro central. De acordo com o assessor especial da prefeitura, Evandro Avelar, as paradas voltarão para as calçadas, como antes.

“Hoje, a Kennedy tem uma faixa sinuosa para ônibus e uma faixa para carros, isso criou um conflito com risco de acidente entre os dois modais. Vamos mudar o conceito geométrico da via com uma faixa sem curvas para o ônibus”, afirma Evandro Avelar na solenidade de assinatura da ordem de serviço que autoriza o início da obra, ontem, na avenida.

Em linha reta, a faixa para o transporte coletivo não será exclusiva, mas os ônibus terão prioridade de circulação, acrescenta o assessor especial. “A estação de ônibus no canteiro central é uma boa alternativa, mas não funciona na Presidente Kennedy porque a via é estreita”, destaca Evandro Avelar. A avenida tem 12 metros de largura, com duas pistas de seis metros de largura cada.

Ele informa que dois consultores especializados fizeram simulações técnicas e garantem que carros e ônibus terão um ganho de 20% na velocidade após a reforma completa. A iluminação da avenida será substituída por lâmpadas de LED, para aumentar o conforto e a segurança de motoristas e pedestres. “Também colocaremos nova sinalização horizontal e vertical”, informa Evandro Avelar.

O serviço, programado para ser executado por etapas, começa no trecho entre as Ruas Governador Agamenon Magalhães e Gentil Ferreira Gusmão (sentido cidade-subúrbio). O trânsito nessa área foi interrompido e desviado por ruas internas desde sábado passado. A primeira fase deve demorar quatro meses para ficar pronta. Quando a intervenção acabar, a prefeitura inicia a obra na próxima estação de ônibus. “É uma obra necessária, a avenida alaga com pouca chuva, a Kennedy precisa ficar mais atrativa”, observa a técnica de segurança do trabalho Gerlúcia Ferraz, ao sair de uma clínica médica na avenida.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias