PRÉDIO DA CONAB

Prédio abandonado no Centro deve ser demolido em 15 dias

Porto do Recife deu prazo máximo de 15 dias para a companhia demolir imóvel abandonado há 7 anos, no Centro, próximo ao Cais de Santa Rita

Diogo Menezes
Diogo Menezes
Publicado em 07/03/2012 às 7:24
Foto: Clemilsom Campos/JC Imagem
Porto do Recife deu prazo máximo de 15 dias para a companhia demolir imóvel abandonado há 7 anos, no Centro, próximo ao Cais de Santa Rita - FOTO: Foto: Clemilsom Campos/JC Imagem
Leitura:

O prédio de sete andares que a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) mantém desativado e em ruínas há cerca de sete anos no bairro de São José, Centro do Recife, está com os dias contados. Técnicos da Secretaria-Executiva de Defesa Civil de Pernambuco vistoriaram o local quinta-feira passada e recomendam, com urgência, a demolição total do imóvel. O Porto do Recife, proprietário do terreno, notificou a Conab na terça-feira (7) e definiu prazo de 15 dias para a empresa derrubar a edificação.

De acordo com o laudo elaborado pela Coordenação Técnica de Engenharia e Arquitetura da Secretaria de Defesa Civil, o prédio apresenta problemas decorrentes da falta de manutenção: fissuras nas fachadas, rachaduras nos pilares, vigas e lajes, infiltração, corrosão das ferragens e instalações elétricas destruídas. Como está localizado perto do mar, as paredes sofrem com a umidade. A vistoria tinha sido solicitada pelo Porto, em outubro do ano passado, depois da ocupação do imóvel por famílias sem-teto.

Os técnicos constataram a destruição completa da cobertura do prédio e alertam para a precária estabilidade da edificação. No laudo, a Defesa Civil defende a demolição como medida de segurança, para resguardar a vida das pessoas que circulam no local. O imóvel fica ao lado do Armazém 15 do Porto do Recife, onde trabalham quase 80 pessoas, conforme a assessoria de imprensa da empresa portuária.

A Conab, criada em 1990 com a fusão da Cibrazem, Companhia Brasileira de Alimentos (Cobal) e Companhia de Financiamento da Produção (CFP), é herdeira do imóvel. Procurada para falar sobre o assunto, a gerente de Finanças e Administração da Superintendência da Conab em Pernambuco, Marília Barreto, não se pronunciou. "Não recebi a notificação ainda", disse, no primeiro contato. Ao ser solicitada mais duas vezes, pediu para informar que estava em reunião.

Leia mais no JC desta quarta-feira (7)

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias