grande recife

Batalhão de Choque faz reintegração de posse na estrada que liga Porto de Galinhas a Maracaípe

A ação visa retirar 180 casas. A principal alegação é que as residências foram construídas de forma irregular (invasão) e prejudicam o meio ambiente

Foto: Guga Matos/JC Imagem
FOTO: Foto: Guga Matos/JC Imagem
Leitura:

Atualizada às 11h10

Equipes do Batalhao de Choque, do 18° Batalhão da Polícia Militar (PM) e do Corpo de Bombeiros estão realizando  na manhã desta terça-feira (19) uma reintegração de posse em Maracaípe, em Ipojuca, Grande Recife. A ação visa retirar 150 casas que estão localizadas às margens da  estrada que liga Porto de Galinhas a Maracaípe. A principal alegação é que as residências foram construídas de forma irregular (invasão) e prejudicam o meio ambiente.

O clima entre os moradores e policiais é de tensão na Vila do Campo. Durante a retirada das familias, uma mulher foi presa e cerca de 150 casas estao sendo derrubadas. "Chegamos às 6h para garantir que a reintegração de posse seja feita de forma pacífica. Há uma ordem judicial que precisa ser cumprida. Aqui no local há 150 casas construídas em local irregular. Algumas famílias já aceitaram sair. Outras estão negociando com a polícia", informou o major Sérgio Cabral, sub-comandante do Batalhão de Choque.

{EMBED 3}

A ordem foi proferida pelo juíz Haroldo Carneiro Leão, da Vara da Fazenda de Ipojuca. De acordo com o procurador Thiago Arraes de Alencar Norões, responsável pelo caso, as negociações para reintegração de posse vêm ocorrendo desde 2007. Somente as famílias cadastradas na época vão poder permanecer no local, até receberem suas indenizações.

“Um ano depois da atual gestão assumir a administração do Estado, foram cadastradas de 20 a 30 famílias no espaço. Hoje, há mais de 150. A duplicação da rodovia PE – 60, que dá acesso às Praias de Porto de Galinhas e Maracaípe, no Litoral Sul, fez com que o interesse na área aumentasse. Quem chegou depois, não terá direito à indenização”, afirma o procurador.

Foto: Guga Matos/JC Imagem
Reintegração de posse retira 180 casas da Estradade Maracaípe - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Reintegração de posse retira 180 casas da Estradade Maracaípe - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Reintegração de posse retira 180 casas da Estradade Maracaípe - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Reintegração de posse retira 180 casas da Estradade Maracaípe - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Reintegração de posse retira 180 casas da Estradade Maracaípe - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Reintegração de posse retira 180 casas da Estradade Maracaípe - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Reintegração de posse retira 180 casas da Estradade Maracaípe - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Reintegração de posse retira 180 casas da Estradade Maracaípe - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Reintegração de posse retira 180 casas da Estradade Maracaípe - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Reintegração de posse retira 180 casas da Estradade Maracaípe - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Reintegração de posse retira 180 casas da Estradade Maracaípe - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Reintegração de posse retira 180 casas da Estradade Maracaípe - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Reintegração de posse retira 180 casas da Estradade Maracaípe - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Reintegração de posse retira 180 casas da Estradade Maracaípe - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Reintegração de posse retira 180 casas da Estradade Maracaípe - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Reintegração de posse retira 180 casas da Estradade Maracaípe - Foto: Guga Matos/JC Imagem
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Reintegração de posse retira 180 casas da Estradade Maracaípe - Foto: Guga Matos/JC Imagem

Na licitação lançada em 2006, 70 dos 110 hectares da propriedade do Estado foram vendidos para o grupo português Teixeira Duarte por R$ 56 milhões. Segundo Norões, a prefeitura de Ipojuca se comprometeu a realocar os moradores para outro terreno, no mesmo município, assim bem como prestar auxílio no cadastro do programa federal “Minha casa, minha vida”, que facilita a compra da casa própria. A assessoria de comunicação da prefeitura não confirma a informação e esclarece que essa responsabilidade é do Estado, já que o terreno pertence a ele.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias