PUNIÇÃO

Paulo Câmara cobra prisão de responsável por tiro contra jovem em Itambé

Uma semana após o jovem Edvaldo Alves dos Santos ser baleado, governador falou pela primeira vez sobre o caso

Da editoria de Cidades
Da editoria de Cidades
Publicado em 24/03/2017 às 7:56
Foto: Roberto Pereira/SEI
Uma semana após o jovem Edvaldo Alves dos Santos ser baleado, governador falou pela primeira vez sobre o caso - FOTO: Foto: Roberto Pereira/SEI
Leitura:

Uma semana após o jovem Edvaldo Alves dos Santos, 22 anos, ser gravemente atingido por um tiro disparado pela PM, em Itambé, Zona da Mata do Estado, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, pela primeira vez se pronunciou sobre o caso. Ontem, em visita ao Sertão, ele afirmou que “vai apurar, prender o responsável e buscar incansavelmente que fatos como esse não aconteçam mais”.

A declaração foi prestada após o governador ser questionado pela reportagem do JC sobre qual o recado que gostaria de dar à família da vítima. “Agora a gente tem que buscar dar a assistência necessária e, ao mesmo tempo, buscar os responsáveis, apurar direitinho, fazer o que tem que ser feito.”

JC teve acesso aos depoimentos prestados pelos três PMs envolvidos no caso. As declarações foram dadas na Delegacia de Itambé, no último dia 17, quando ocorreu a ação policial alvo de investigação. Um disparo de advertência para o chão. Foi esse o relato feito pelo capitão da Polícia Militar Ramon Tadeu Silva Cazé para descrever o tiro que atingiu o jovem Edvaldo. O oficial e os outros dois policiais que participaram da ação (um oficial e um soldado) afirmaram que os manifestantes estavam “fazendo uso de pedaços de madeira nas mãos, copos, garrafas e produtos inflamáveis” e que “começaram a avançar sobre o policiamento”.

Capitão Cazé estava no comando do grupo e é o oficial que aparece no vídeo gravado por manifestantes fazendo a pergunta: “É esse que vai levar o tiro primeiro?”, referindo-se a Edvaldo. Na sequência, ele chama o soldado Ivaldo Batista de Souza Júnior, que dispara o tiro contra o jovem. No momento das imagens, Edvaldo está desarmado e não há registro de nenhum outro manifestante portando os materiais descritos pelos policiais. “Em virtude de tais circunstâncias, (o soldado) efetuou um disparo de advertência para o chão, a qual ricocheteou no asfalto e veio atingir de forma inesperada o popular”, afirmou, em depoimento, o capitão.

Nas declarações prestadas à polícia, o oficial diz que o jovem baleado começou a sangrar e que “de imediato o policiamento realizou o socorro feito na viatura da PMPE até o Hospital de Itambé”.

Vídeo

Pelas imagens gravadas (que viralizaram nas redes sociais), é possível ver, logo após o tiro, Edvaldo caindo no chão ensanguentado. Apesar de ferido, o jovem é arrastado e agredido com um tapa no rosto dado pelo próprio oficial. Na sequência, ele é jogado na parte de trás da viatura. Já no carro, Edvaldo continua sendo agredido, desta vez por um morador, sem que os policiais tomem qualquer atitude para evitar a agressão.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias