Violência

Polícia tenta prender autores da chacina em São José da Coroa Grande

Oito pessoas foram assassinadas no município entre a última quinta (15) e este sábado (17)

Adriana Guarda
Adriana Guarda
Publicado em 17/02/2018 às 17:50
Foto: Suelen Brainer/Especial para o JC
Oito pessoas foram assassinadas no município entre a última quinta (15) e este sábado (17) - FOTO: Foto: Suelen Brainer/Especial para o JC
Leitura:

A Secretaria de Defesa Social de Pernambuco (SDS) montou uma verdadeira força-tarefa para tentar prender os autores da chacina que deixou oito mortos em São José da Coroa Grande, no Litoral Sul do Estado, entre a última quinta-feira (15) e este sábado (17). De acordo com a polícia, os homicídios estão associados à disputa pelo tráfico de drogas entre os municípios de São José e Barreiros. Preocupado com o avanço da violência no Litoral Sul, a determinação do governador Paulo Câmara é prender os culpados e restabelecer a ordem na região.

O chefe da Polícia Civil, Joselito Kehrle, determinou reforço na segurança para capturar os culpados. Estão na região equipes do Grupo de Operação Especiais (GOE), do Batalhão de Operações Especiais (Bope), do Batalhão Especializado de Policiamento do Interior (Bepi), da Coordenação de Operações de Recursos Especiais (Core) e do Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP).

CHACINA

A matança em São José da Coroa Grande começou na última quinta-feira (15), com um triplo homicídio, e se alastrou neste sábado com um quíntuplo assassinato. A delegada responsável pelo inquérito, Érica Bezerra, acredita que a chacina deste sábado (17) tenha ocorrido por vingança, em represália às mortes da quinta-feira. “Existe uma disputa pelo território do tráfico em São José da Coroa Grande, que vem sendo pleiteado por grupos criminosos da cidade vizinha de Barreiros”, afirma. Das cinco pessoas assassinadas neste sábado, são quatro homens com idades de 16, 19, 20 e 35 anos, e uma adolescente de 12 anos.

De acordo com a polícia, a menina seria usuária de drogas e estaria fora de casa há vários dias, sendo procurada pela família. Ainda segundo a polícia, a moça era namorada de uma das vítimas.

O clima de medo e insegurança se instaurou na cidade e está prejudicando o turismo e o comércio. O sábado foi de pouco movimento na praia e nas ruas, com as pessoas preferindo se recolher dentro de casa.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias