crimes

Duas mulheres são assassinadas em Caruaru

Uma das vítimas com tijoladas foi morta pelo namorado, depois que ela negou fazer sexo. A outra teve a aposentadoria roubada

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 19/02/2014 às 6:03
Leitura:

O número de mulheres assassinadas no Estado cresceu para 32, com dois assassinatos registrados em Caruaru, no Agreste. Assim como a professora Sandra Lúcia de Albuquerque Fernandes, 48 anos (morta a facadas com o filho Icauã, 10, no domingo, em Olinda, pelo namorado dela), a doméstica Aldenice Amara de Souza, 32, também foi vítima do machismo, maior responsável pelas elevadas estatísticas. Preso em flagrante, o ex-namorado Jeferson Gustavo de Souza Gomes, 23, confessou: matou porque ela não queria fazer sexo.

Aldenice foi morta a tijoladas na cabeça e, possivelmente, estuprada. Moradores da Vila Kennedy encontraram o corpo seminu, em um terreno, na manhã de segunda-feira. Conforme as investigações, ela saiu para um bar com o atual companheiro, Deivisson Alef Silva, 19, que se retirou com a chegada do ex. “Clientes do bar, a 150 metros de onde o corpo estava, falaram que ela e Jeferson discutiram, os dois saíram e depois ele voltou sozinho”, conta o delegado Márcio Cruz, responsável pelo caso.

O rapaz chegou a ir em casa, fez as malas e fugiu para a zona rural. “Nós o encontramos e ele confessou que brigaram porque ela não queria fazer sexo, então ele foi tomado por uma raiva e desferiu vários golpes de tijolo em sua cabeça, mas negou o estupro. Se o mesmo for constatado pelo IML, ele também será indiciado pelo crime”, detalha o delegado. Jeferson foi encaminhado à Penitenciária Juiz Plácido de Souza, em Caruaru e pode pegar até 30 anos de prisão.

A outra vítima foi a aposentada Norma Suely Dantas, 57 anos. Vizinhos ouviram gritos de socorro vindos de dentro da casa dela e correram para o local, onde a encontraram morta, enquanto Ane Cristine Pessoa da Silva, que já havia frequentado a residência, lavava o chão. Eles trancaram a casa e acionaram a polícia.

“Ela negou o crime. Disse que estava conversando com a aposentada quando um homem chegou e a matou. Mas ela era a única pessoa dentro da casa, tinha manchas de sangue no corpo e tentou fugir. Um filho da vítima sentiu falta do salário que a mãe guardava em casa, então ela foi presa em flagrante por latrocínio”, explica o delegado Márcio Cruz. O crime ocorreu na sexta-feira, mas ainda não estava contabilizado. 

Últimas notícias