Perícia

Polícia Civil confirma participação de Jeferson da Silva no assassinato do cabo da Polícia Militar

O ex-presidiário estava interessado na pistola .40 e 3 carregadores do Cabo Rosenildo Pereira

Do JC Online
Do JC Online
Publicado em 19/08/2015 às 13:06
Leitura:

O Delegado João Paulo de Andrade confirmou a participação de Jeferson Gomes da Silva, 21, no assassinato do Cabo Rosenildo Pereira Dantas dos Santos, 45, foi encontrado morto, no último dia 11, dentro de casa com um tiro na cabeça. Informação foi repassada durante uma coletiva que ocorreu na manhã desta quarta. Jeferson foi detido em flagrante por porte restrito de arma, que pertenceria ao Cabo Rosenildo, na última segunda-feira.

O suspeito foi preso por militares do 6º Batalhão da PM, no bairro de Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes. De acordo com o delegado, Jeferson confessou o crime e está cooperando com as investigações.

Os primeiros resultados das perícias foram apresentadas hoje no Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP). De acordo com o perito papiloscopista Sidney Bezerra, as marcas de pegadas manchadas de sangue na cena do crime são de Jeferson. “As marcas provam que Jeferson esteve na casa e em contato com o sangue da vítima”, afirmou.

De acordo com a Polícia Civil, a motivação do crime seria o interesse de Jeferson na pistola do Cabo. Além da arma, três carregadores e 43 munições foram apreendidos com ele. Em depoimento, Jeferson teria dito que foi convidado a ir a casa do cabo Rosenildo Pereira, com quem estaria se relacionando há aproximadamente um mês.

Jeferson também afirma ter entrado em confronto corporal com a vítima, mas a perícia indica não ter traços de violência no corpo de Rosenildo. De acordo com o delegado João Paulo de Andrade, a possibilidade de envolvimento de outras pessoas é pequena, mas ainda não foi descartada. Alguns resultados ainda faltam ser revelados, como os exames de DNA, que podem confirmar se Jeferson atuou sozinho no crime, como diz em depoimento.

A investigação feita pela polícia apontou que Jeferson conduziu o veículo do policial até a Comunidade do Vietnã, deixou o carro no local e foi se encontrar com a namorada em Cajueiro Seco. Por não saber onde era a casa da mulher, que não teve identidade revelada, ele utilizou o celular de Rosenildo Pereira, antes de vendê-lo em uma estação de metrô.

O suspeito também afirma ter alugado uma casa em Cajueiro Seco com o dinheiro do celular, mas a namorada, que tentava convencê-lo a se entregar, afirmou em depoimento que ela quem custeou todos as despesas do ex-presidiário.

A polícia vai indiciar o jovem por latrocínio, além de porte restrito de arma, e o laudo final das investigações deve sair quando o exame de DNA for revelado. Jeferson encontra-se à disposição da justiça no Cotel.

Últimas notícias