DPCA

Polícia investiga novo caso de Baleia Azul em Olinda

A menina de 15 anos, que estava com vários cortes no braço, incluindo um com o desenho de uma baleia, já teria marcado a data de seu suicídio

JC Online
JC Online
Publicado em 22/06/2017 às 5:59
Foto: Tato Rocha/ JC Imagem
A menina de 15 anos, que estava com vários cortes no braço, incluindo um com o desenho de uma baleia, já teria marcado a data de seu suicídio - FOTO: Foto: Tato Rocha/ JC Imagem
Leitura:

O Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente (DPCA) está investigando a participação de uma adolescente de 15 anos no desafio da Baleia Azul em Olinda, no Grande Recife.  A menina, que estava com vários cortes no braço, incluindo um com o desenho de uma baleia, já teria marcado a data de seu suicídio e só saiu do jogo após pedidos das amigas.

"Eu saí por conta própria quando as minhas amigas pediram para eu sair", afirmou a garota, dizendo ainda que está arrependida de ter feito parte do desafio.

O Conselho Tutelar da cidade tomou conhecimento da situação através de uma denúncia. "É um caso que vem acontecendo há aproximadamente três meses, foi descoberto primeiramente pela denúncia. Se a gente não tivesse feito a averiguação da denúncia para ir até a escola, poderia ter acontecido o pior", explica o conselheiro Kiko Guedes à Rádio Jornal.

Agora, segundo o conselheiro, a adolescente vai ter acompanhamento psicológico. "Vamos fazer todo o acompanhamento para ajudar ela a superar esse trauma que ela está passando, chegando ao ponto de se cortar. Vamos chamar a família para poder entender o contexto familiar e ajudar na medida do possível", afirma.

A delegada Camila Figueiredo ressalta a importância de acompanhar a rotina dos filhos para evitar ocorrências do tipo. "Conversei com a menina, ela é retraída, até porque as vítimas desse tipo de jogo são crianças e adolescentes retraídos. Tem que ter uma atenção maior com os filhos, ver o que eles estão fazendo na internet e se tornar um pai amigo, não deixar de ter autoridade, mas ser amigo do filho."

O jogo Baleia Azul

No jogo, adolescentes são convocados para grupos fechados no Facebook e no WhatsApp, e devem cumprir 50 desafios pré-estabelecidos por curadores, que são pessoas que comandam o jogo. Entre as tarefas, estão mutilar os braços com facas, assistir a filmes de terror na madrugada e, na tarefa final, cometer suicídio. Iniciado na Rússia entre 2015 e 2016, o "jogo da Baleia Azul" (Blue Whale) está supostamente ligado a uma série de suicídios em todo o mundo. Isso porque ele busca causar danos emocionais aos participantes.

Alertas para pais e educadores

Educadores da rede de escolas de informática Microcamp, de São Paulo, elaboraram uma cartilha na qual são traçados dez sinais de alerta.

1. Prestar atenção se o jovem sabe do que e trata o jogo e seus perigos. Converse sobre o assunto. Na adolescência é comum que os pais sejam excluídos da vida social de seus filhos, entretanto, segundo Helder Hidalgo, coordenador de cursos e psicólogo, é fundamental ter um diálogo dentro de casa, entender qual é a necessidade do jovem no momento. 

2. Ficar atento ao comportamento dos jovens, prestando atenção se há alguma mudança significativa. 

3. Atenção nas atividades dos jovens na internet. Procure saber o que o jovem está acessando, o que está jogando, com quem, se aceitou convites de desconhecidos. 

4. Verificar se o jovem usa manga comprida mesmo em dia quente.

5. Verificar se há marcas pelo corpo. 

6. Atentar para o rendimento escolar. 

7. Perceber se há isolamento e sinais de tristeza. 

8. Notar se há agressividade.

9. Atentar para os temas das conversas dos jovens.

10. Se notar alguma alteração, professores e pais devem conversar com o jovem e procurar ajuda profissional. 

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias