FOI EM 2012

Acusado de matar namorado da filha no Sertão é preso em São Paulo

Crime aconteceu em 2012. Gilberto de Brito não queria que Felipe Lamarck namorasse sua filha. Jovem foi morto a tiros

JC Online
JC Online
Publicado em 06/12/2017 às 18:44
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Crime aconteceu em 2012. Gilberto de Brito não queria que Felipe Lamarck namorasse sua filha. Jovem foi morto a tiros - FOTO: Foto: Guga Matos/JC Imagem
Leitura:

O homem acusado de matar um adolescente de 17 anos, no município de Bodocó, no Sertão de Pernambuco, porque não aceitava o namoro da filha com o jovem, foi preso nesta quarta-feira (6), em São Paulo. De acordo com a Polícia, Gilberto de Brito Medeiros, de 43 anos,  estava vivendo na cidade Ituverava, interior do estado e próximo a Minas Gerais, quando foi descoberto pelos agentes. Felipe Lamarck Gomes Moreira de Lima foi morto a tiros no dia 25 de novembro de 2012.

Segundo o delegado Sérgio Ricardo, diretor do Comando de Operações e Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil de Pernambuco, responsável pelas investigações, Gilberto fugiu para o estado sulista na mesma época em que cometeu o crime. Em São Paulo, ele teria constituído família, onde também teve um filho.

Crime

Sobre o dia do crime, o delegado afirmou que existem duas versões. A primeira conta que a vítima teria entrado em contato com o acusado para marcar um encontro, quando os dois teriam entrado em luta corporal. O acusado, então, puxou a arma e atirou contra o jovem.

A segunda versão diz, no entanto, uma história oposta. Gilberto é que teria ligado para Felipe e marcado o encontro. No local, perto da casa do jovem, o homem teria atirado nas costas do rapaz.

Gilberto de Brito foi encaminhado ao Centro de Observação Criminológica e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel) após ser preso por mandado de prisão. Participaram da ação para deter o suspeito as polícias Militar e Civil de São Paulo.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias