PANKARARU

PF vai investigar incêndio em escola e posto de saúde em terra indígena

Uma escola e uma unidade de saúde utilizadas por indígenas em Jatobá, Sertão de Pernambuco, foram atingidas por um incêndio nessa segunda-feira (29)

JC Online
JC Online
Publicado em 30/10/2018 às 14:47
Foto: Facebook/Povo Pankararu
FOTO: Foto: Facebook/Povo Pankararu
Leitura:

As investigações sobre um incêndio ocorrido em uma escola e um posto de saúde utilizadas por indígenas em Jatobá, Sertão de Pernambuco, contarão com uma equipe da Polícia Federal. A informação foi repassada pela assessoria de imprensa da PF na manhã desta terça-feira (30). Comentários nas redes sociais sugerem que o caso tem motivação política, mas delegado da Polícia Civil nega. A suspeita inicial é de que seja uma ação de posseiros que foram retirados do território.

Foto: Facebook/Povo Pankararu
- Foto: Facebook/Povo Pankararu
Foto: Facebook/Povo Pankararu
- Foto: Facebook/Povo Pankararu
Foto: Facebook/Povo Pankararu
- Foto: Facebook/Povo Pankararu
Foto: Facebook/Povo Pankararu
- Foto: Facebook/Povo Pankararu
Foto: Facebook/Povo Pankararu
- Foto: Facebook/Povo Pankararu
Foto: Facebook/Povo Pankararu
- Foto: Facebook/Povo Pankararu
Foto: Facebook/Povo Pankararu
- Foto: Facebook/Povo Pankararu
Foto: Facebook/Povo Pankararu
- Foto: Facebook/Povo Pankararu

Relembre

Uma escola e uma Unidade de Saúde da Família utilizadas por indígenas no sítio Bem Querer de Baixo, em Jatobá, Sertão de Pernambuco, foram atingidas por um incêndio na madrugada desta segunda-feira (29). O povo Pankararu utilizou o Facebook para denunciar o caso. Comentários nas redes sociais sugerem que o incêndio tenha motivação política, mas o delegado Daniel Angeli, titular da delegacia de Jatobá, responsável pela investigação nega. 

No dia 13 de setembro, a Polícia Federal de Pernambuco (PF) com apoio de policiais militares, realizou a Operação Pankararu cujo objetivo era a desocupação de 12 imóveis indígenas na região localizada entre Tacaratu, Jatobá e Petrolândia. Na data, a PF informou que sete dos 12 imóveis foram desocupados.

Um levantamento realizado pela Fundação Nacional do Índio (Funai), a pedido da Justiça Federal, identificou que, das 346 famílias não-indígenas com posses na região, 259 não residem nas terras, possuindo imóveis nas cidades de Petrolândia, Tacaratu e Jatobá que seriam utilizados apenas como local de lazer para feriados e finais de semana. 

De acordo com o TRF5, a Funai também ficou responsável por indenizar as famílias posseiras que realizaram benfeitorias na terra que ocuparam. Algumas dessas indenizações já teria sido pagas e todos os posseiros foram realocados no PA-Abreu e Lima, um assentamento localizado em Tacaratu, Sertão do Estado. Apesar disso, segundo o tribunal, posseiros apresentaram insatisfação com a localização do município, que seria muito distante, e com as terras, que seriam improdutivas.

Últimas notícias