RACISMO

Movimento denuncia violência da Guarda Municipal do Recife durante Terça Negra

Em imagens, é possível ver objetos como garrafas e mesas sendo arremessados, além do momento em que um guarda municipal atira para o alto

Katarina Moraes
Katarina Moraes
Publicado em 06/02/2020 às 9:08
Notícia
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
FOTO: Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Leitura:

O evento da Terça Negra, realizado no Pátio de São Pedro, no Recife, foi marcado por muita confusão nesta terça-feira (4). Em vídeos recebidos pela reportagem, é possível ver objetos como garrafas e mesas sendo arremessados, além do momento em que um guarda municipal atira para o alto, mesmo o porte de armas sendo proibido pela corporação. O assunto repercutiu nas redes sociais e integrantes do movimento negro acusam as autoridades de injúria racial.

» Terça Negra Especial de Carnaval 2020 leva maracatu, ciranda e afoxé ao Centro do Recife

» Lúcia dos Prazeres lança livro sobre os 20 anos da Terça Negra

» Afonjah celebra 30 anos do primeiro disco na Terça Negra

» Mais uma edição da Terça Negra com capoeira, coco e afoxé

Em publicação da Articulação Negra de Pernambuco, pessoas que estavam presentes no evento contam que tudo começou quando agentes de segurança do Grupamento Tático Operacional (GTO) abordaram violentamente um rapaz negro.

"Um amigo meu (preto retinto) foi abordado pela GTO, que costumeiramente faz abordagens sem nenhuma acusação aparente, a abordagem causou tumulto, que acabou com o acusado sendo levado pra delegacia depois da polícia ser expulsa do pátio debaixo de garrafas de vidro e cadeira", disse um internauta.

"Os policias tinha tomado uma garrafa de lolo de dois meninos brancos e botado eles para sair do local. Logo depois abordaram um garoto negro que estava com uma garrafinha de Axé [bebida artesanal] e como ele não tava com nada, eles tiraram do bolso a garrafa que tinham pego dos brancos e queriam por a culpa no garoto negro, ai começou toda a revolta da galera", relatou outro.

Pronunciamento da secretaria

A Secretaria de Segurança Urbana do Recife, através da Corregedoria da Guarda Civil Municipal, determinou a instauração de procedimento investigatório para apurar os fatos ocorridos no evento. A Secretaria de Segurança Urbana repudia todo e qualquer ato de preconceito, agressão e violência por parte dos agentes. Não faz parte dos equipamentos de trabalho da guarda, arma de fogo. Quem fez uso da mesma, vai responder pelos seus atos. Para denúncias, reclamações e sugestões, a corregedoria possui um canal direto de comunicação com a população, através do telefone 3355-8326.

Ver essa foto no Instagram

ATO RACISTA DA GUARDA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE (GTO)! AGREDIRAM A POPULAÇÃO NEGRA NO EVENTO 'TERÇA NEGRA NO PATIO DE SÃO PEDRO!'

Uma publicação compartilhada por Articulação Negra Pernambuco (@articulacaonegrape) em

História da Terça Negra

A história da Terça Negra começou em 1998, no Pagode do Didi, localizado na Rua Ulhôa Cintra, no bairro de Santo Antônio. Em 2001, o projeto passou a acontecer no Pátio de São Pedro, tornando-se parte do calendário cultural oficial da cidade.

O encontro cultural foi criado pelo Movimento Negro Unificado (MNU), que surgiu no Recife em 1979 e ganhou força na década de 1990. Em seus primeiros passos, o MNU pretendia ir além do chamado samba de raiz, divulgando outras vertentes da cultura negra, como o maracatu, o afoxé, coco de roda e até o reggae e o hip hop. A Terça Negra tem apoio prefeitura, por meio da Secretaria de Cultura, da Fundação de Cultura Cidade do Recife.

Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Mestre Santino Cirandeiro levou o público a formar uma grande ciranda - Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
A Terça Negra, referência como espaço de celebração dos ritmos de matriz africana, voltou ao Pátio de São Pedro - Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Outros três eventos da Terça Negra acontecem até o 18 de fevereiro - Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
O encontro cultural foi criado pelo Movimento Negro Unificado (MNU) - Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
A primeira noite, nesta terça-feira (28), teve maracatu, ciranda e afoxé - Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Foto: Filipe Jordão/JC Imagem
Mestra do Maracatu Encanto do Pina, Joana Cavalcante - Foto: Filipe Jordão/JC Imagem

Últimas notícias