TRANSPLANTE

Doador paranaense chega ao Recife para transplante de medula óssea

O eletricista doou sangue em maio deste ano e, apenas três meses depois soube que era um doador compatível. Procedimento acontece em setembro.

Editoria de Cidades
Editoria de Cidades
Publicado em 26/08/2016 às 19:14
Foto: Divulgação
O eletricista doou sangue em maio deste ano e, apenas três meses depois soube que era um doador compatível. Procedimento acontece em setembro. - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

A esperança para um paciente pernambucano chegou ao Recife na tarde desta sexta-feira (26), vinda do município de Ivaiporã, no Paraná.  Supervisor de linhas de transmissão de Furnas, o eletricista Paulo Cardoso de Oliveira, 55, desembarcou na capital pernambucana após receber a notícia de que a medula óssea era compatível com a de um paciente do Estado. O transplante acontecerá no dia 1º de setembro. 

O funcionário é o segundo a ser identificado na campanha Doe Vida!,  realizada mensalmente pela empresa em parceria com o Grupo Pró-Medula, para aumentar o número de pessoas cadastradas no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (REDOME). O supervisor doou sangue em maio deste ano e, apenas três meses depois, soube que era um doador compatível. A chance de encontrar um doador  é de 25% entre irmãos de mesmo pai e mesma mãe. A compatibilidade entre não familiares é de 1 em 100 mil. No Brasil, devido à miscigenação, as chances são ainda menores.

Cardoso realizará o transplante na idade considerada limite para se voluntariar à doação e a cinco anos do limite para a realização do procedimento. Além disso, o tipo sanguíneo do funcionário é AB+, que só pode doar para receptores com o mesmo tipo sanguíneo, o que torna o caso ainda mais raro. 

Conhecido pelo profissionalismo que leva para o campo durante as emergências, como quedas de torres de linhas de transmissão, ele deixa de lado a sisudez  e se emociona ao falar sobre a decisão de ser doador.

“Decidi parar de trabalhar depois de 30 anos e, na minha conversa com Deus, perguntei: o que vou fazer agora para me sentir útil? Doar é uma maneira de servir ao próximo. Quando você é um doador, você não está salvando apenas uma pessoa, mas uma família inteira”, afirma o eletricista, que começou a cursar Teologia há quatro anos e fez Pós-Graduação em Gestão de Pessoas. 

 DOADORES

O REDOME alcançou 4 milhões de cadastros de possíveis doadores em maio deste ano. Antes de 2003, a possibilidade de se encontrar um doador no registro para paciente brasileiro era inferior a 15%. Hoje, há mais de 80% de chance de se encontrar um doador compatível em fase inicial de busca e, ao final do processo, 64% dos pacientes terão um doador compatível para a realização do transplante. Em 2003, o registro tinha em torno de 35 mil doadores.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias