HUOC

SES investiga morte de paciente por doença rara em Pernambuco

Homem pode ter vindo a óbito por conta de uma doença priônica, conhecida erroneamente como "Mal da Vaca Louca"

JC Online
JC Online
Publicado em 18/12/2016 às 17:20
Igo Bione/Acervo JC Imagem
Homem pode ter vindo a óbito por conta de uma doença priônica, conhecida erroneamente como "Mal da Vaca Louca" - FOTO: Igo Bione/Acervo JC Imagem
Leitura:

A suspeita da morte de um paciente no Hospital Universitário Oswaldo Cruz (HUOC), bairro de Santo Amaro, área central do Recife, pela doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ), que tem como variante mais conhecida, erroneamente, o termo "Mal da Vaca Louca" está sendo investigada pela Secretaria Estadual de Saúde (SES). O corpo do homem não identificado, de 58 anos, foi encaminhado para o Serviço de Verificação de Óbito (SVO).

A Doença de Creutzfeldt-Jakob (DCJ) é uma doença priônica, do sistema nervoso central que se manifesta de várias formas clínicas. Os sinais ou sintomas mais frequentes são demência rapidamente progressiva associada a tremores musculares de extremidades.

Doenças Priônicas

As Doenças Priônicas constituem um grupo de patologias crônicas,progressivas, de ocorrência imprevisível, invariavelmente fatais e afetam principalmente o sistema nervoso central, que acomete tanto homens como animais. O paciente estava internado desde agosto no hospital e veio a óbito nessa sexta-feira (16).

Segundo a SES, na maioria dos casos registrados no Brasil o DCJ não tem origem infecciosa, ocorrendo normalmente num padrão expontâneo (sem antecedentes na familia) ou familiar (quando há relatos de casos entre parentes).

Nos casos infecciosos, como os registrados na Europa, a transmissão acontece de um agente conhecido como 'príon'. Para se prevenir dessa forma de infecção é preciso evitar o consumo da carne cerebral bovina, o miolo ou qualquer outro tipo de tecido nervoso de animais doentes. O recebimento de sangue transfundido ou a doação de órgãos, quando não tomados os devidos cuidados, também podem ser formas contagiosas da doença.

A Secretaria de Saúde não informou prazo para a conclusão da análise sobre a morte do paciente.

Últimas notícias