Farmácias

Suspeita de coronavírus provoca corrida por máscara e álcool em gel no Recife

Pernambuco tem três casos suspeitos de coronavírus, segundo a Secretaria Estadual de Saúde

JC Online
JC Online
Publicado em 27/02/2020 às 0:02
Notícia
Foto: Reprodução/TV Jornal
Pernambuco tem três casos suspeitos de coronavírus, segundo a Secretaria Estadual de Saúde - FOTO: Foto: Reprodução/TV Jornal
Leitura:

Com o avanço do coronavírus no Brasil, o primeiro caso foi confirmado nessa terça-feira (25) pelo Ministério da Saúde (Pernambuco tem três casos suspeitos), surge também a corrida por máscaras e álcool em gel da população na expectativa de encontrar maior proteção. No Recife não é diferente. Na capital pernambucana já há relatos de funcionários de farmácias e clientes sobre a alta busca pelos itens de saúde.

>> Veja 6 dicas para se proteger do novo coronavírus

>>  Em caso de sintoma de coronavírus encaminhe-se a uma urgência ou UPA

>> Veja o estado de saúde dos pernambucanos suspeitos de estar com coronavírus

>> Ampliação do número de casos suspeitos de coronavírus já era esperado, diz secretário

>> Primeiro caso suspeito de coronavírus na Paraíba é de homem que esteve na Itália e desembarcou no Aeroporto do Recife

>> Governo de Pernambuco busca passageiros do voo em que estava paraibano com suspeita de coronavírus

>> 'Agora é que vamos ver como o coronavírus se comporta em um país tropical', diz ministro da Saúde

"Aumentou sim (a busca). Do mês de janeiro para fevereiro triplicou esse consumo de álcool em gel e máscara. A N95 (um dos tipos de máscara) não tenho desde o dia 15 de fevereiro", disse Valéria Gomes de Castro, gerente de farmácia no Recife. "As pessoas estão muito assustadas com esse efeito do coronavírus. É de certo modo um pânico também", complementa a funcionária.

No lado do consumidor também se nota o aumento pelas máscaras e álcool em gel. "Como uma das orientações é o uso de álcool em gel, fui logo comprar. Três farmácias do RioMar já não tinham. Consegui os seis últimos em uma livraria. A atendente de uma das farmácias disse que todo o estoque acabou hoje", afirmou a jornalista Inês Calado.

Por conta dessas buscas, já existe o receio de que haja desabastecimento dos produtos. "Estamos com as últimas quantidades de máscaras que temos. Espero que normalize porque é necessário para toda essa demanda", declarou Valéria Gomes.

Ouça a coletiva da SES

 

SÃO PAULO

No Estado onde há o único caso confirmado da doença, farmácias estão sem máscaras cirúrgicas nas prateleiras. Desde o início do ano, o medo do coronavírus fez aumentar a procura pelos produtos, principalmente por parte de pessoas que estão com viagem marcada ou por quem tem parentes em países com registro de mortes e casos confirmados para a doença. Nos últimos dias, a procura cresceu ainda mais.

"Muitos chineses querem comprar máscaras porque vão viajar ou enviar para familiares que moram fora do Brasil. Em média, vinte pessoas passam por dia pela loja em busca de máscaras. Quando os produtos chegam, acabam no mesmo dia ou no máximo no dia seguinte. Hoje não temos mais. Algumas pessoas também ligam e outras querem encomendar", disse Ana Paula Souza Miranda, farmacêutica, de 31 anos.

Algumas redes farmacêuticas avisam seus clientes por WhatsApp sempre que chega um novo lote. "Enviamos uma mensagem aos consumidores que nos pedem encomenda. A última cliente veio esses dias porque precisava comprar para mandar para o filho que mora na Itália. Ela disse que ele não encontrou mais no país. Assim que avisamos, ela veio comprar", disse o auxiliar de farmácia Ewerton Vinicius, auxiliar de farmácia, de 26 anos. "Já fizemos novos pedidos, mas sem previsão de chegada. Por causa do carnaval, também atrasou".

Veja o mapa que mostra por onde o coronavírus se espalhou

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias