Estreia

Falabella abre as portas do Teatro RioMAr

Em sistema de soft openning, sala de espetáculos recebe O que o mordomo viu

Bruno Albertim
Bruno Albertim
Publicado em 07/02/2014 às 6:29
Leitura:

Com o espetáculo O que o Mordomo viu, Miguel Falabella e Marisa Orth abrem as portas, entre 14 e 16 deste mês, do novíssimo Teatro RioMar. “Não é ainda a inauguração oficial. Estamos em fase de soft openning, para ajustar tecnicamente a casa, ver a demanda do público”, antecipa-se o gaúcho Álvaro do Bem, diretor de marketing da Opus Produções, com sede em Porto Alegre, empresa com quase 40 anos de atuação no showbusiness brasileiro, convidada para administrar a sala de espetáculos do shopping do Pina.

O Investimento no teatro é do próprio Shopping Rio Mar. Com capacidade para 677 lugares, plateia e balcão, a sala funcionará no mesmo andar em que funcinam as salas de cinema. “Recife é uma cidade que cresce muito, com a chegada de grandes empresas, mais até do que o resto do Brasil, e que tem uma demanda reprimida muito grande para salas de espetáculo do tipo. Estamos muito felizes com o convite do grupo JCPM para atuar no teatro, que será nossa âncora no Nordeste”, diz Carlos Conrad, presidente do grupo. “Se manter um teatro com recursos públicos já é muito difícil, ver a iniciativa privada investir num teatro desse porte para a cidade é elogiável”, disse.

O Opus administra seis grandes teatros no Brasil, o do RioMar será sua sétima operação. Ainda não foi definida a política de pautas do RioMar, mas produções nacionais devem circular com mais frequência pela cidade com a abertura da nova sala. “Não apenas vendemos a pauta do teatro, como também convidamos espetáculos para temporadas e circulações”, diz Noêmia Matsumoto, diretora de programação do grupo. O Mordomo, por exemplo, vai para o Teatro Riachuelo, administrado pelo grupo em Natal, depois da pequena temporada recifense.

A programação pode ser preenchida com espetáculos de teatro, de música e também corporativos e palestras. “Os produtores locais vão nos ajudar muito a definir a programação”, diz Noemia. “Li, agora, muitas matérias a respeito do festival Janeiro de Grandes Espetáculos, realizado há pouco na cidade. É um festival interessante. Nosso teatro poderia participar de um festival assim”. 

Com revestimento interno em madeira, o Teatro Rio Mar conta também com elevadores para portadores de necessidades especiais - inclusive nos camarins, para o caso de atores ou cantores com dificuldade de locomoção.

Com os teatros do Parque e da Universidade Federal de Pernambuco fechados, produtores locais comemoram a abertura da nova sala. “Até porque teatros em shoppings atraem também um grande público circulante que não iria, necessariamente, ao teatro”, diz Tadeu Gondim, produtor do Coletivo Angu de Teatro, um dos mais produtivos e premiados do Estado. Gondim produziu, ano passado, a temporada do monólogo Camille Claudel, com a atriz Ceronha Pontes, no Teatro Eva Hertz, dentro da Livraria Cultura do Shopping RioMar. 

O MORDOMO

Escrita pelo inglês Joe Orton, a comédia O que o mordomo viu ganhou uma versão brasileira com adaptação e direção de Miguel Falabella (a co-direção é da diretora de telenovelas Cininha de Paula. Incialmente, Arlete Salles protagonizaria o espetáculo com o próprio Falabella. Após uma cirurgia para retirada de um tumor, foi substituída por Marisa Orth.

Nos palcos, a farsa do escritor inglês Joe Orton estreou em 1969 no Queen´s Theatre, em Londres. A história gira em torno do Dr. Arnaldo, um psiquiatra que tenta seduzir sua atraente secretária, Denise Barcca. Os enredos são tortuosos, com confusão de identidades, portas batendo, roupas que desaparecem. Orton é considerado um dos dramaturgos mais criativos do século 20. 

Além de Falabella e Marisa Orth, o elenco traz Marcelo Picch, Alessandra Verney, Ubiracy Brasil e Magno Bandarz. A produção local é da Art Rec Produções. Os ingressos variam de R$ 50 a R$ 140, com vendas, por enquanto, no site Ingresso Rápido.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias