ESTREIA

O Topo da Montanha mostra o encontro hipotético entre Luther King e uma camareira

No texto escrito por Katori Hall, a personagem interpretada por Taís Araújo confronta os líder em um bem-humorado jogo de provocações

Ubiratan Brasil/Agência Estado
Ubiratan Brasil/Agência Estado
Publicado em 07/10/2015 às 11:42
Jorge Bispo/Divulgação
No texto escrito por Katori Hall, a personagem interpretada por Taís Araújo confronta os líder em um bem-humorado jogo de provocações - FOTO: Jorge Bispo/Divulgação
Leitura:

Os biógrafos de Martin Luther King Jr. (1929-1968), um dos mais importantes líderes do movimento dos direitos civis dos negros nos Estados Unidos e no mundo, relatam que, no seu último dia de vida, ele participou de situações prosaicas, como uma guerra de travesseiros. Mas Luther King também ficou algumas horas sozinho no quarto do hotel em Memphis, onde foi assassinado no dia 4 de abril de 1968.

É durante esse período, do qual não se sabem detalhes, que a jovem dramaturga Katori Hall ambienta a peça O Topo da Montanha, que estreia na sexta-feira (9/10), no Teatro Faap. "O texto fala da coragem de um homem na luta pelos direitos humanos", observa o ator Lázaro Ramos, que vive o pastor Luther King, além de dirigir a montagem. "Mas ele não usa a agressão como arma de luta, mas, sim, a dignidade e a tolerância para conseguir o respeito do próximo."

Na peça, Katori Hall se aproveita do mistério que cerca aqueles momentos para criar um encontro hipotético entre Luther King e Camae, uma misteriosa camareira em seu primeiro dia de trabalho no hotel. Vivida por Taís Araújo, ela confronta o líder, questionando-o sem temor, estimulando um tenso e bem-humorado jogo de provocações, que vai ressaltar sua humanidade.

*As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Últimas notícias