Superprodução

Michel Teló celebra cultura sertaneja em 'Bem Sertanejo, o musical'

Espetáculo é apresentado até domingo (31) no Teatro Guararapes

Márcio Bastos
Márcio Bastos
Publicado em 30/03/2019 às 15:11
Analise
Deivid Correia/Divulgação
Espetáculo é apresentado até domingo (31) no Teatro Guararapes - FOTO: Deivid Correia/Divulgação
Leitura:

Para Michel Teló a história da música sertaneja se mistura com a história do Brasil. Por isso o cantor, um dos representantes mais famosos representantes do gênero atualmente, tinha como um dos projetos de vida investigar as origens dessa cultura que saiu dos rincões para conquistar o país. Um dos resultados dessa pesquisa é o espetáculo Bem Sertanejo – o Musical, que é apresentado de sexta (29) até domingo (31) no Teatro Guararapes.

O projeto de Bem Sertanejo começou a tomar forma há alguns anos, quando Michel Teló estreou um quadro sobre a temárica no Fantástico, da TV Globo. A atração se desdobrou em um livro e um DVD, mas o paranaense sentia que ainda poderia se aprofundar mais no assunto. Foi então que começou a trabalhar no espetáculo.

“A gente tinha um projeto de fazer um musical, mas isso era muito diferente do que a gente tava acostumado. E quando Gustavo Gasparani (ator, diretor e dramaturgo) nos procurou para tirar a ideia do papel e que tinha a estrutura para montar o musical, nós embarcamos. Ele e a equipe são de um profissionalismo tremendo. Montamos o roteiro e as músicas juntos, contando a história do homem no campo e a saída dele pra cidade grande”, explicou Teló em entrevista por e-mail.

Esse trajeto citado pelo cantor como mote do espetáculo é amparado por uma dramaturgia que abarca desde a origem da música caipira até os dias atuais, em que movimenta somas milionárias e faz de seus artistas astros nacionais. O texto, no entanto, não se preocupa em seguir uma ordem cronológica, preferindo traçar uma evolução afetiva da cultura sertaneja através das canções - cerca de 56 faixas de artistas como Sérgio Reis, Almir Sater, Leandro e Leonardo, até recentes, como Jorge e Mateus.

“A gente queria que o musical tivesse músicas desde lá atrás com Cabloca Tereza ou Chico Mineiro, passando pelos clássicos de Chitãozinho e Xororó, como chegou a guitarra e o contrabaixo pro sertanejo. São vários grandes nomes, foi impossível colocar todo. Toda a minha memória afetiva está nesse espetáculo. Cresci ouvindo música sertaneja, é a minha formação. Em casa, a gente sempre pegava o violão e cantava os clássicos. Além disso, eu sempre toquei sertanejonos bailes. A seleção das canções foi difícil porque era impossível contemplar todos os artistas”, explica o cantor.

Além de Teló e do diretor e dramaturgo Gustavo Gasparini, o elenco é composto por Lilian Menezes , Alan Rocha, Daniel Carneiro, Gabriel Manita, Jonas Hammar, José Mauro Brant, Pedro Lima, Rodrigo Lima e Sergio Dalcin.

FORMAÇÃO

Além de entreter, outros objetivo do projeto é formar plateias e aguçar o gosto pela música sertaneja. Para isso, oferece duas atividades em todas as apresentações para o público em geral. A primeira delas é a visita guiada pelos bastidores, na qual o pode conhecer a dinâmica por trás do palco, funcionamento dos equipamentos, do cenário e da movimentação do elenco.

A outra ação é uma palestra após a sessão sobre o processo criativo e a concepção do espetáculo com participação de algum int

Últimas notícias