Cultura popular

Projeto reúne mestres na Fundaj

Até maio, estudantes e o público em geral podem absorver conhecimentos com grandes artistas e artesãos populares

JC Online
JC Online
Publicado em 23/02/2018 às 14:47
Divulgação
Até maio, estudantes e o público em geral podem absorver conhecimentos com grandes artistas e artesãos populares - FOTO: Divulgação
Leitura:

As mãos ainda sujas de barro, diante já de um boneco modelado secando ao vento, a estudante Maria Heloísa da Silva, 13 anos, sorria: “Não sabia que era assim, agora já sei fazer não só bonecos como bandejas de barro”. Aluna do 8º ano ano do colégio municipal Nilo Pereira,e la era uma entre os cerca de 50 estudantes que participavam, ontem, no campus da Fundação Joaquim Nabuco, em Casa Forte, de uma oficina de modelagem em cerâmica com o Mestre Zuza de Tracunhaém.

A oficina deu início ao projeto Mestres dos Saberes, um investimento de R$ 311 mil do Ministério da Educação numa série de oficinas que reúne, até maio, vinte mestres da arte popular, do artesanato e do cinema de animação na Fundaj. Aberta ao público e gratuita, a programação é especialmente destinada aos alunos das redes públicas de ensino.

“Importante na produção de conhecimento científico, a Fundaj deixa de ficar restrita a seus muros e pesquisadores com esse braço na educação. Nenhuma instituição deve viver fechada em seus limites”, discursou, numa breve cerimônia de lançamento, o ministro da Educação, Mendonça Filho. “Muitas vezes, os estudantes mal conhecem aspectos importantes da cultura. E, aqui, eles não estão aprendendo arte popular apenas através dos livros, mas direto com quem é mestre no assunto”, completou.

MESTRES

Os participantes aprenderão, na prática, diversas técnicas artísticas inspiradas na arte dos mestres e mestras da cultura pernambucana, como Lula Gonzaga (cinema de animação); mestras Mazé e Cosminha, de Vicência (fibra da bananeira); mestre Zuza de Tracunhaém (arte do barro); Josa de Olinda (arte em madeira); Lula Vassoueiro (máscara de Carnaval); mestre Bacaro Borges, de Bezerros (Xilogravura); entre outros.

“Este projeto insere os mestres nos processos formais de educação e possibilita aos participantes das oficinas o acesso às tradições culturais e aos saberes dos mestres pernambucanos. Queremos fazer com que os participantes tenham o conhecimento do tipo de arte que é realizada em seu próprio estado”, corrobora Joana D’Arc Ribeiro, responsável pela coordenação pedagógica do Mestres dos Saberes.

Últimas notícias