Massala

Grupo Verdfrut abre restaurante onde cliente monta sua própria salada

Na saladeria, o bufê é composto por folhas variadas e um mix de ingredientes para deixá-la mais gostosa e colorida

Flávia de Gusmão
Flávia de Gusmão
Publicado em 30/03/2017 às 17:15
Divulgação
Na saladeria, o bufê é composto por folhas variadas e um mix de ingredientes para deixá-la mais gostosa e colorida - FOTO: Divulgação
Leitura:

O ditado popular que professa ser “juntar a fome com a vontade de comer” a melhor tradução da ação de unir o útil ao agradável tem como exemplo maior a inauguração do restaurante Massala. O casarão tombado no bairro das Graças permanecia sem uso ao lado de um mercadinho do VerdFrut, até que os donos da marca de produção e venda em varejo de hortifrútis, Jefferson Roberto e Arthur Santos, decidiram dar-lhe uma função.

A reposta surgiu de uma lógica cartesiana: se eles produziam frutos, legumes e verduras em Chã Grande, distante 1h20m do Recife, capazes de serem enviados à mesa do consumidor, prontos para consumo, num prazo exíguo de nove horas – contando colheita, transporte, higienização e transformação em receitas – que solução mais a calhar que transformar o espa-ço numa saladeria?

FRESCOR GARANTIDO

O obstáculo inicial talvez fosse a falta de experiência no métier. Embora seja administrado como um comércio, um negócio deste gênero exige outro tipo de expertise. E foi aí que entraram os chefs Vinicius Arruda e Barbara Viegas para aplicar o conhecimento específico no preparo dos alimentos. Ambos garantem ter ficado encantados, especialmente, com o frescor dos ingredientes provenientes da horta: primeiro e importantíssimo passo para que uma salada se torne prazer e não obrigação. O resto ficaria por conta da capacidade de ambos de incorporar elementos que viessem a se somar com aquilo que já estava garantido na origem.
A montagem de uma salada – embora pareça básica à primeira vista – envolve uma combinação de fatores, tais como texturas, harmonização e contraposição de sabores, molhos bem elaborados e variedade de outros elementos que a transformem num mosaico colorido e apetitoso.

Os consultores optaram pelo autosserviço, ou seja, o cliente monta o seu prato. Depois de escolher o mix de folhas, o prato pode ser complementado com beterraba, cenoura, tomate, brócolis, manga, morango e uva verde, oriundos do cultivo próprio. Frios como blanquet de peru, salame, ricota e bacon, além de linhaça, batata-doce, arroz integral, chia e outros podem ser adicionados. Para finalizar, os molhos – todos naturais e de produção artesanal – aioli, pesto de ervas e iogurte. Quem preferir pode também incluir proteínas animais: salmão, camarão, tilápia e creme de atum.

Ao lado do bufê de salada está instalado o self-service de massas (O nome Massala é justamente a junção dos dois serviços). Aqui, Vinicius e Barbara também tiram proveito do frescor do tomate para preparar um suculento molho de tomate, que também servirá como base para o bolonhesa. As outras opções são molho branco e curry suave.
O sistema empregado para as massas é o mesmo que o utilizado nas saladas: escolhe-se a massa (como elas são pré-cozidas, se você gosta de um ponto mais al dente, é bom pedir para reduzir o tempo) e os complementos.

Massala – Rua Joaquim Nabuco, Graças. De segunda a sábado, das 11h às 21h

Últimas notícias