censura

Governo do Irã bane a atriz Golshifteh Farahani por fazer topless

Celebridade em seu país e atualmente morando em Paris, ela participou de uma campanha de oposição à intolerância contra a mulher

Marcelo Pereira
Marcelo Pereira
Publicado em 19/01/2012 às 14:38
Le Figaro Madame
Celebridade em seu país e atualmente morando em Paris, ela participou de uma campanha de oposição à intolerância contra a mulher - FOTO: Le Figaro Madame
Leitura:

A famosa atriz iraniana Golshifteh Farahani, 29 anos, foi banida do Irã por ter aparecido fazendo topless numa campanha a favor da liberdade de expressão e em oposição as restrições contra as mulheres na Le Figaro Madame.  Se ela voltar ao seu país, poderá ser assassinada ou executada. O caso está tendo uma grande repercussão internacional na imprensa e na internet.

Muitos iranianos tem se pronunciado sobre o assunto no Facebook, Twitter e blogs. Na terça-feira, Golshifteh recebeu  Ministério da Cultura e Orientação Islâmica um comunicado dizendo que “o Irã não precisa de nenhum ator ou aretista  e que eu poderia oferecer meu trabalho em outro lugar”,  segundo o jornal The Telegraph.

No vídeo da Madame Le Figaro, ela aparece ao lado de dezenas de atores e personalidades que vão se pronunciando e tirando a parte de cima da roupa no vídeo.

Não é a primeira vez que Golshifteh Farahani enfrenta problema com o governo iraniano. Em 2008, ela foi se fixou em Paris depois de ser criticada por tirar o véu que as mulheres muçulmanas são obrigadas a usar, durante a cerimônia do Oscar.

Em um de seus filmes mais recentes, Rede de mentiras (Body of lies), ela aparece ao lado do ator americano Leonardo Di Caprio e do israelense Alon Abutbul.  Golshifteh  interpreta uma enfermeira  que ajuda um agente americano ferido (Di Caprio) a completar sua missão em um país muçulmano.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias