CINEMA

Arnold Schwarzenegger corre contra o tempo perdido

Veterano ícone dos filmes de ação volta aos cinemas com O último desafio

Ernesto Barros
Ernesto Barros
Publicado em 18/01/2013 às 6:00
Paris Filmes/Divulgação
Veterano ícone dos filmes de ação volta aos cinemas com O último desafio - FOTO: Paris Filmes/Divulgação
Leitura:

Quem foi rei nunca perde a majestade. A frase cai como uma luva para o retorno de Arnold Schwarzenegger aos filmes de ação. Afastado dos sets de filmagens por quase 10 anos, o ator e ex-governador da Califórnia está de volta ao reino do cinema em O último desafio (The last stand, 2013), que estreia nesta sexta-feira (18/01) simultaneamente nos Estados Unidos e no Brasil.

Apesar de o título do filme não condizer com seu retorno às telas – ele tem dois longas em pós-produção –, o ator austríaco de 65 anos corre mesmo em busca do tempo perdido. Como se sabe, a carreira política dele acabou depois do rumoroso envolvimento com uma empregada doméstica, que pôs fim ao longo casamento com Maria Shriver, do clã dos Kennedys.

Para sua sorte, o cinema americano não tem revelado astros no gênero em que ele, ao lado de Sylvester Stallone e Bruce Willis, foram os maiores ícones. Mesmo com idade avançada, o astro de Conan, o bárbaro (1982) e O exterminador do futuro (1985), mostra que seu corpo, um tanto combalido pela ação do tempo, ainda aguenta porrada.

Como em quase todos os seus filmes de ação, Schwarzenegger adequa seu tipo físico e certa inexpressividade aos personagens que interpreta. Durão e sério, Ray Owens, seu personagem, tem um passado marcado pela honestidade. Foi para permanecer assim que aceitou o cargo de xerife numa sonolenta cidadezinha do Arizona, na fronteira dos Estados Unidos com o México.

O filme, na verdade, começa bem antes da entrada em cena de Schwarzenegger. A primeira sequência é uma bem articulada fuga de um traficante mexicano. Gabriel Cortez (o espanhol Eduardo Noriega) é retirado das mãos do FBI e foge num Corvette envenenado. Em Summerton, a cidadezinha do xerife, alguns bandidos matam um fazendeiro (o veterano Harry Dean Stanton, ainda durão aos 87 anos) e um policial.

As cenas vão se conectando até ficarmos sabendo que o traficante vai sair do país usando uma ponte artificial em Summerton, onde Owens recruta quem pode para enfrentar os criminosos. Além de dois policiais, ele pede a ajuda de um preso, Frank (o brasileiro Rodrigo Santoro, com uma boa participação), e de um pirado por armas, Dinkum (Johnny Knoxville, quase repetindo seu personagem em Jackss).

Na maneira como o xerife junta seu pessoal e acompanhamos o percurso de Cortez, que é seguido por um agente do FBI (Forrest Whitaker), logo logo percebemos que o roteirista Andrew Knauer pinçou ideias de filmes como Onde começa o inferno (Rio Bravo, 1958) e Corrida contra o Destino (Vanishing point, 1971) para a pouco original história de O último desafio.

O diretor coreano Kim Jee-woon – do terror Medo (2003), lançado em DVD no Brasil –, que estreia no cinema americano, é bastante seguro nas cenas de ação. Talvez a responsabilidade de lidar com um astro como Schwarzenegger tenha podado um pouco sua criatividade. Mas O último desafio é empolgante a maior parte do tempo e tem tudo para agradar os fãs de Schwarzenegger.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias