CINEMA

Janela Internacional de Cinema do Recife com menu de encher os olhos

Festival divulga programação completa do evento que começa no próximo dia 24/10

Ernesto Barros
Ernesto Barros
Publicado em 15/10/2014 às 6:00
Divulgação
Festival divulga programação completa do evento que começa no próximo dia 24/10 - FOTO: Divulgação
Leitura:

Há quase um mês alimentados a conta gotas, só na manhã de ontem os cinéfilos pernambucanos tiveram a dose completa da programação da 7ª edição do Janela Internacional de Cinema do Recife. Durante coletiva no Café Castigliani, na Fundação Joaquim Nabuco, os diretores do festival, o casal Kleber Mendonça Filho e Emilie Lesclaux, anunciaram o menu completo do evento.

Com 130 filmes no cardápio, o Janela é uma cornucópia fornida com biscoitos finos de 17 países. É uma maratona para cinéfilos com fôlego de fundistas. A Mostra Competitiva de Longas-Metragens e várias seções paralelas – Clássicos, Panorama Alemão, Mostra Pós-Nouvelle Vague e 13 sessões especiais, entre outras – colocam o Janela entre os festivais mais atraentes do País.


A Mostra Competitiva, por exemplo, é um arranjo feliz entre produções brasileiras e internacionais que deixaram suas marcas em vários festivais este ano. “Não vejo complicação nessa mistura. O cinema brasileiro não é inferior em nada. Todos os filmes são fortes e eu gostaria que fossem descobertos porque eles não são muito conhecidos”, salienta Kleber.

Dos 11 filmes que concorrem na Mostra Competitiva de Longas, cinco são estrangeiros e seis brasileiros. No primeiro grupo, despontam o criativo Jauja, do argentino Lisandro Alonso; e os impactantes A tribo, do ucraniano Miroslav Slaboshpitsky, e Turista, do sueco Ruben Östlund. Os três fizeram boa figura no último Festival de Cannes. No grupo brasileiro, há os pernambucanos Prometo um dia deixar essa cidade, de Daniel Aragão; Ventos de agosto, de Gabriel Mascaro; e Brasil S/A, de Marcelo Pedroso, que abre o Janela no próximo dia 24. 

O cinema pernambucano, já bem representado na Mostra Competitiva, ainda ganha um grande destaque em oito sessões especiais. Além dos premiados A história da eternidade, de Camilo Cavalcante, e Sangue azul, de Lírio Ferreira, haverá ainda a sessão resgate dos curtas em Super 8 Noturno em Récife maior, de Jomard Muniz de Brito, e Se pintar colou e Se colar olhou, ambos de Ivan Cordeiro.

Na Mostra Pós-Nouvelle Vague, serão destacados filmes dos diretores Philippe Garrel, Maurice Pialat, Jean Eustache e Jacques Doillon, que virá ao Recife. No Panorama Alemão, o destaque é o longa Via-crúcis, de Dietrich Brüggemann, vencedor do Urso de Prata de Roteiro no última Berlinale. O filme-concerto Biophilia, com a cantora islandesa Björk, tem tudo para ser uma das sessões mais concorridas. Corra e garanta seu ingresso!

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias