SEM COMPROMISSO

Monogamia não é natural, diz Scarlett Johansson após separação

Em entrevista à revista Playboy, a atriz revelou acreditar que o casamento vai contra algum instinto humano

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 17/02/2017 às 12:04
AFP
Em entrevista à revista Playboy, a atriz revelou acreditar que o casamento vai contra algum instinto humano - FOTO: AFP
Leitura:

Após menos de um mês do término do casamento de dois anos com o jornalista francês Romain Dauriac, Scarlett Johansson não parece ser muito fã do matrimônio. Em entrevista à Playboy americana, a atriz de Match Point afirmou que "monogamia não é natural". 

"A ideia do casamento é muito romântica, é uma ideia muito bonita, e sua prática pode ser uma coisa muito bela. Mas não acredito que seja natural ser uma pessoa monogâmica. Pode ser que me critiquem por isto, mas acho que dá muito trabalho. Casamento dá muito trabalho", disse a atriz de 32 anos. "E o fato de dar muito trabalho para tantas pessoas prova que não é algo natural", afirmou à revista.

Scarlett Johansson ressaltou que não estava criticando quem se casa. "Já fui casada. Mas eu acho que definitivamente vai contra algum instinto", afirmou.

RESPONSABILIDADE

Scarlett Johansson também disse que oficializar a união é capaz de mudar o relacionamento.

"O casamento inicialmente envolve um monte de pessoas que não têm nada a ver com o seu relacionamento, porque é um contrato jurídico. Ser casado é diferente de não ser casado, e qualquer um que lhe diga que é o mesmo está mentindo. Isso muda as coisas Tenho amigos que estavam juntos por dez anos e, em seguida, decidiram se casar, e eu pergunto no dia do seu casamento ou logo depois se é diferente, e sempre é. É uma bela responsabilidade, mas é uma responsabilidade", defendeu a atriz.

A atriz em breve poderá ser vista nos cinemas no filme Ghost In The Shell (A Vigilante do Amanhã), que adapta um dos mangas mais celebrados de todos os tempos.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias