Debandada

Cineastas retiram seus filmes do Cine PE como forma de protesto

A presença do documentário sobre Olavo de Carvalho, filósofo conservador, foi estopim para a saída

JC Online
JC Online
Publicado em 10/05/2017 às 15:41
Daniela Nader/Divulgação
A presença do documentário sobre Olavo de Carvalho, filósofo conservador, foi estopim para a saída - FOTO: Daniela Nader/Divulgação
Leitura:

Oito cineastas (até o momento desta postagem) assinaram uma carta retirando seus filmes da grade de competição do Cine PE: Festival do Audiovisual 2017, que será realizado no Recife entre 23 e 29 de maio, no Cinema São Luiz. Na mensagem que torna pública a decisão, os realizadores afirmam que só tomaram conhecimento da programação completa do evento no dia 8 de maio, e através dos veículos de imprensa.

"Constatamos que a escolha de alguns filmes para esta edição favorece um discurso partidário alinhado à direita conservadora e grupos que compactuaram e financiaram o golpe ao Estado democrático de direito ocorrido no Brasil em 2016. Para nós, isso deixa claro o posicionamento desta edição, ao o qual não queremos estar atrelados", diz um trecho da carta.

A Mostra Competitiva de Longas-Metragens, a que mais chama a atenção do espectadores, foi pensada para ter seis filmes – divididos entre três documentários e três ficções – na disputa pelos Troféus Calungas. Dois deles já tiveram exibições prévias: o policial O Crime da Várzea, de André Warvar, que estreou em março, e o drama Toro, de Edu Felistoque, lançado em novembro de 2016.

Os outros são inéditos, entre eles o documentário O Jardim das Aflições, do pernambucano Josias Teófilo, que tem como personagem o filósofo Olavo de Carvalho. Considerado um mentor da nova direita, Carvalho, que mora nos Estados Unidos, fala sobre as ideias expostas no livro que dá nome ao documentário. Além disso, as tretas dos bastidores do documentário, envolvendo Josias e o cineasta expatriado Daniel Aragão, vazaram no Facebook e o filme acendeu ainda mais o interesse em torno dele.

Para escolher os filmes das mostras competitivas, a diretora do festival, Sandra Bertini, delegou a tarefa para o cineasta e ator brasiliense Bruno Torres, à professora pernambucana Amanda Mansur e ao professor paraibano Matheus Andrade.

Publicamos a carta original que nos foi enviada por um dos cineastas. Posteriormente, foi liberada uma segunda versão, que divulgamos abaixo.  

Eis a carta na íntegra

Nota sobre a retirada de filmes da programação do Cine PE 2017.

10 de maio de 2017

Decidimos tornar pública a decisão, conjunta, de retirar nossas obras da seleção do XXI Cine PE Festival Audiovisual, a ser realizado entre os dia 23 e 29 de maio de 2017, na cidade de Recife. Apenas no dia 08 de maio, através de veículos de imprensa, tomamos conhecimento da grade completa dos filmes que foram selecionados para o festival.

Constatamos que a escolha de alguns filmes para esta edição favorece um discurso partidário alinhado à direita conservadora e grupos que compactuaram e financiaram o golpe ao Estado democrático de direito ocorrido no Brasil em 2016. Para nós, isso deixa claro o posicionamento desta edição, ao o qual não queremos estar atrelados.

Reconhecemos a importância do Cine PE Festival Audiovisual, do qual muitos de nós já participaram em edições anteriores. Esperamos poder participar de edições futuras e mais conscientes, condizentes com sua grandeza histórica e relevância para a formação de público do cinema brasileiro.

Assinam os representantes dos filmes abaixo listados:

“Abissal” – Ceará
“A Menina Só” – Santa Catarina
“Baunilha” – Pernambuco
“Iluminadas” – Pernambuco
“Não me Prometa Nada” – Rio de Janeiro
“O silêncio da Noite é que tem sido testemunha das minhas amarguras” – Pernambuco
“Vênus – Filó a fadinha lésbica” – Minas Gerais

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias