Drama

Filme '120 Batimentos por Minuto' aborda luta e amor no início da aids

O filme chega hoje aos cinemas brasileiros como um tapa na cara de parcela da sociedade que quase 30 anos depois do avanço da epidemia ainda insiste no preconceito.

JC Online
JC Online
Publicado em 04/01/2018 às 12:25
Foto: Divulgação
O filme chega hoje aos cinemas brasileiros como um tapa na cara de parcela da sociedade que quase 30 anos depois do avanço da epidemia ainda insiste no preconceito. - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

“Lutamos contra uma epidemia que mata frente à indiferença geral”. Essa sentença representa um dos momentos mais marcantes de 120 Batimentos por Minuto, drama do francês Robin Campillo que fala sobre a invisível guerra contra a aids na França do início dos anos 1990, onde as batalhas eram travadas contra a indústria farmacêutica e um governo omisso, mas sobretudo em prol da vida. Vencedor do Grand Prix do Festival de Cannes, o filme chega hoje aos cinemas brasileiros como um tapa na cara de parcela da sociedade, que quase 30 anos depois ainda insiste no preconceito.

A frase que abre este texto é dita no longa por Thibault (Antoine Reinartz), presidente do Act Up (Aids Coalition to Unleash Power) Paris, grupo não-violento que combate o descaso governamental frente ao avanço da epidemia. Tudo o que eles querem é democratização. Tanto da informação, para que a sociedade reconheça a importância da prevenção e passe a fazer uso de camisinha e seringa limpa; quanto do acesso ao tratamento, aos remédios que os laboratórios tanto tardavam a viabilizar. O que acarretou na morte lenta e dolorosa de muita gente, sobretudo das minorias - dos prostituídos, drogados e veados, como dizem os próprios ativistas, libertos de julgamentos e censura.

As palavras de Thibault vêm à tona durante um ato político e provocador no meio das ruas de Paris, onde os voluntários e integrantes do grupo se juntam para fazer uma grande passeata e depois se deitam no chão. “Juntos podemos resistir a essa epidemia e aos problemas sociais que ela causa”, acrescenta o presidente e orador do Act Up enquanto ocorre a ação. O tom da sequência é de denúncia, mas também de esperança. O plano aberto e plongée deixa tudo ainda mais tocante e comovente.

Nos primeiros minutos da trama, o filme mostra uma estética hiperrealista que chega a flertar com o documental. Isso porque o próprio diretor do longa fez parte do Act Up e reconstrói a história do grupo por meio das suas lembranças. De cara, somos introduzidos a uma reunião do órgão, comandada por mulheres como Eva (Aloïse Sauvage) e Sophie (Adèle Haenel). Apesar de estarem em um número gritantemente menor, eram elas também as responsáveis por organizar as ações e instigar os debates, nos quais os ouvintes eram orientados a estalar os dedos no lugar de bater palmas quando aprovavam algum comentário para dar dinamismo e fluidez às sessões.

Fora o grande ato na rua, outro que merece destaque ocorre quando o grupo decide invadir o prédio do laboratório Melton Pharm. Sob o bordão, “Melton Pharm mata a gente! Tratamento é urgente!”, eles jogam uma tinta vermelha caseira semelhante à espessura do sangue por todo o escritório. A reivindicação é para que o laboratório divulgue o quanto antes o resultado de uma nova molécula, uma esperança para os soropositivos. É que os executivos já tinham esses dados, mas haviam ficado de anunciá-lo somente dentro de um ano, numa conferência em Berlim. E enquanto se importavam com o mercado, os doentes ficavam com os desagradáveis efeitos colaterais dos pouco eficazes antirretrovirais AZT e DDI.

Dentre os membros mais engajados está Sean (Nahuel Pérez Biscayart), um jovem que foi infectado na primeira vez que fez sexo, aos 16 anos, por um homem casado e mais velho, seu professor de matemática. Aos poucos, a obra vai deixando o tom de manifesto e adentrado no drama pessoal da vida de Sean. Pois conviver com a aids é antes de tudo uma batalha existencial. É viver com medo.

É de cortar o coração acompanhar um militante vivaz e tenaz se tornar uma pessoa apática e desesperançada. E tempos depois inválida. Sean é diagnosticado com Kaposi, um tipo de câncer que provoca lesões na pele e acomete pessoas com deficiências imunológicas, como os portadores do HIV. Ele morre aos 26 anos, na cama do apartamento que dividia com Nathan (Arnaud Valois), seu par romântico e um dos poucos soronegativos do grupo.

É entre os dois que acontece o diálogo mais impactante do filme: "Estamos todos mortos e vivos", diz Sean. Entre uma pílula e outra, eles vivem um bonito romance, mostrado na grande tela sem pudores. O título do filme parece remeter justamente à vida intensa e frenética que eles vivem, nas esferas pública e privada. Esta última regada ao consumo de ecstasy nos clubes voltados à comunidade homossexual.

É esse momento de escapismo e catarse em meio à música eletrônica envolvente e dançante que faz o contraponto do filme, inclusive servindo de desfecho, onde escutamos os corações pulsando a todo vapor. Essas imagens da festa são mescladas ao último desejo de Sean, o de ter suas cinzas jogadas a uma seguradora. O que mostra como a luta os eleva como indivíduos. 120 Batimentos por Minuto é uma obra-prima. Daquelas de estalar os dedos.

Últimas notícias