festival de berlim

Filme brasileiro concorre a Urso de Ouro com denúncia ao racismo

Filme é ambientado no século XIX, após a abolição da escravatura e o surgimento da República

AFP
AFP
Publicado em 23/02/2020 às 18:32
Notícia
Foto: Reprodução/ Youtube
Filme é ambientado no século XIX, após a abolição da escravatura e o surgimento da República - FOTO: Foto: Reprodução/ Youtube
Leitura:

O longa "Todos os mortos", dos diretores Caetano Gotardo e Marco Dutra, concorre neste domingo (23) ao Urso de Ouro no Festival de Berlim, mostrando o racismo e a violência contra a comunidade negra no Brasil vistos a partir do processo histórico. 

Ambientado no século XIX, após a abolição da escravatura e o surgimento da República, o filme se passa em uma época na qual, segundo os diretores, "perdeu-se a oportunidade" de unir os povos indígenas, antigos colonos e escravos. 

>> 'Luta por Justiça' expõe racismo dos julgamentos à pena de morte nos Estados Unidos

>> Bolsonaro indica pastor evangélico e cineasta cristã para a Ancine

>> Em Berlim, Kleber Mendonça Filho diz que governo Bolsonaro sabota o cinema nacional

Em São Paulo, uma família de mulheres ex-proprietárias de uma grande plantação de café a beira da ruína não sabe como se adaptar a esse novo momento sem os privilégios de antes, enquanto os seus antigos escravos tentam resgatar suas raízes e tradições a partir da liberdade. 

"Nessa época foram colocados os pilares da sociedade brasileira", comentou Marco Dutra à AFP. 

"Ainda que muitas teorias respeitadas afirmem que o Brasil foi criado a partir da mistura de identidades, a realidade é outra: é um país muito racista", acrescentou o diretor.  

Ao longo dos 120 minutos do longa, surgem sons contemporâneos, como os de um avião e de ambulâncias, incoerências que o espectador começa a entender à medida que o filme avança.  

A violência física contra a comunidade negra, que continua "sendo perpetuada pelo estado e pela elite branca", segundo Caetano Gotardo, é outro assunto tratado a partir da perspectiva histórica.

"A maioria dos assassinatos no Brasil são de jovens negros. A violência está presente. Porém, não queiramos ser fatalistas, porque há pessoas que seguem resistindo", disse. 

Para os diretores de "Todos os mortos", o debate sobre a identidade brasileira se polarizou com a chegada de Jair Bolsonaro à presidência.  

"Esse governo reforça a ideia de que no Brasil há pessoas boas e ruins, de que há coisas que devem prevalecer e outras desaparecer. Devemos continuar discutindo a partir da moderação", afirma Gotardo.

"Todos os mortos" disputa pelo Urso de Ouro na Berlinale, cuja lista de vencedores será anunciada no próximo 29 de fevereiro, e lidera a lista de 19 produções brasileiras selecionadas para diferentes sessões do festival de Berlim. 

O cinema sul-americano está sofrendo perdas de patrocínio sob o governo Bolsonaro, que extinguiu o Ministério da Cultura e diluiu as pastas do órgão em diversas secretarias. 

"Claro que precisamos dos subsídios, lutaremos por ele, mas seguiremos filmando aconteça o que acontecer, nem que seja com os nossos celulares", ressaltou Dutra. 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias