Tá No Ar continua com ironia afiada na quarta temporada

Mundo da televisão segue sendo explorado por Marcelo Adnet e companhia

Foto: Globo Play/Reprodução
Mundo da televisão segue sendo explorado por Marcelo Adnet e companhia - FOTO: Foto: Globo Play/Reprodução

Começa nesta terça-feira (24) na Globo a quarta temporada de Tá No Ar – A TV na TV. Com o objetivo de explorar o mundo da televisão sem nenhuma censura, a atração criada por Marcelo Adnet, Marcius Melhem e Maurício Farias mantém o humor ácido e afiado de suas esquetes. O sucesso do programa nas redes sociais fez com que o canal divulgasse, dias antes para os assinantes da plataforma Globo Play, o episódio de estreia na íntegra.

O Jornal do Commercio teve acesso ao conteúdo e conferiu que a atração nesta terça-feira vem repleta de piadas bem executadas sobre assuntos bastante pertinentes: racismo, crise econômica (Supermercado Recessão), machismo (Misoginol), religião (Impressoras Xaviepson e Crentes) e, claro, corrupção política (Como Era Gostoso e o clipe de Fazer-Cartel).

A esquete Branco no Brasil abre o programa com um verdadeiro soco no estômago. A propaganda ironiza o racismo nada velado, provocando reflexão logo nos primeiros minutos. A cena foi replicada espontaneamente nas redes sociais, levantando os mais diversos comentários.

 

 

DESCONTRAÇÃO

Cenas de humor despropositado também compõem a atração. Nesta reestreia, a cantora Sandy mostra seu lado "verborrágico" e Otaviano Costa tenta agradar os telespectadores "tocando piano". Quadros tradicionais do programa como Jardim Urgente, Silvio Songs, o militante revoltado e o Te Prendi na TV também estão mantidos.

Estreando uma nova abertura – agora com Lulu Santos cantando a música Televisão, dos Titãs – o Tá No Ar mantém a aura do extinto Comédia MTV com recursos. Mas o humor inteligente, que provoca reflexões, é o que vale a longevidade da atração, que já tem quinta temporada confirmada.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias