Nazaré Tedesco foi inspirada em desenho animado, conta Aguinaldo Silva

Autor contou que o jeito engraçado e atrapalhado da vilã partiu da trama de um famoso desenho da Warner Bros

Foto: GShow/Divulgação
Autor contou que o jeito engraçado e atrapalhado da vilã partiu da trama de um famoso desenho da Warner Bros - FOTO: Foto: GShow/Divulgação

De volta às televisões brasileiras por conta da reprise de Senhora do Destino no Vale a Pena Ver de Novo, a personagem Nazaré Tedesco costuma arrancar boas risadas dos espectadores. Apesar de ser uma vilã, a loura interpretada por Renata Sorrah chama atenção até hoje pela dose de comicidade e atrapalho de suas tentativas em destruir Maria do Carmo (Suzana Vieira), de quem sequestrou um bebê criado como sua filha.

Durante participação no programa Donos da História (canal Viva), que vai ao ar no próximo dia 7/5, o autor Aguinaldo Silva aproveitou para contar em quem se inspirou para criar a personagem.

“Precisava de uma vilã que fosse poderosa e, ao mesmo tempo, bem-humorada, engraçada, pra cima. E fizesse as maiores sandices! Ela mata três ou quatro pessoas. Eu preciso me apoiar, me inspirar em alguém. Então, tinha uma figura na vida real na qual me inspirei vagamente, mas no que me inspirei mesmo foi nos desenhos animados do Tom & Jerry”, revelou.

Aguinaldo comparou as armações de Nazaré a famosa perseguição do tipo "gato e rato", mote do infantil. “Aquele negócio do gato que faz de tudo para acabar com aquele rato, e sempre se dá mal. A Nazaré é um pouco assim, ela faz tudo para destruir a Maria do Carmo, por amor, porque ela ama realmente a filha que roubou, mas ela nunca consegue chegar lá”, detalhou ele.

DESFECHO CÔMICO

O autor reforçou que, apesar dos assassinatos, sequestro e outros crimes cometidos ao longo da trama, o jeito engraçado de Nazaré se manteve firme até o final, quando supostamente comete suicídio.

“Ela se joga porque percebe que nunca vai ganhar. É o único momento triste dela. O problema é que a gente não sabe se ela morreu ou não porque depois só encontram os sapatos dela. Era uma personagem bem-humorada até na morte!”, finalizou.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias