Carol Duarte protagoniza sequência histórica em 'A Força do Querer'

Capítulo desta terça-feira (29) destacou a boa atuação da jovem atriz e também de Maria Fernanda Cândido

Foto: Twitter/@RealitySocial/Reprodução
Capítulo desta terça-feira (29) destacou a boa atuação da jovem atriz e também de Maria Fernanda Cândido - FOTO: Foto: Twitter/@RealitySocial/Reprodução

O capítulo 128 de A Força do Querer, exibido nesta terça-feira (29) na TV Globo, sem dúvidas, entrará para a história da teledramaturgia brasileira. A virada da personagem Ivana, interpretada por Carol Duarte, parou muitos lares ao acompanhar o momento em que a jovem se revela transgênero para os pais e corta seus cabelos para se libertar, de alguma forma, do lado feminino que ainda a atormenta.

É claro que, ao falarmos de uma novela, precisamos dizer que o elemento dramalhão - com seus resquícios de exagero - estava presente na forte sequência, que dominou todo o primeiro bloco do capítulo. Havia um peso maior de caras e bocas entre os personagens em cena, mas é inegável constatar que a estreante Carol Duarte segurou bem a barra de sua personagem neste tenso momento de clímax.

Também é preciso louvar o trabalho de Maria Fernanda Cândido nesta cena histórica. A personagem Joyce, que parece fútil ao idealizar a sua "linda menininha" na Ivana, impressionou como a nítida mãe perdida pelo baque que acaba de sofrer com a difícil (porém necessária) decisão de sua filha. A incompreensão e o lamento de "perder" aquilo que tanto sonhou também emocionou os telespectadores. Todo mundo queria consolá-la.

O texto, a edição e a trilha sonora da sequência também se destacam. Mesmo com alguns exageros no roteiro de Glória Perez - como Ivana dizendo para os pais: 'A natureza blefou com vocês' - os diálogos tinham sua carga de verossimilhança. A edição deixava o público de casa sem fôlego com a sonoplastia de cada tesourada que Ivana dava em seu cabelo. E ainda, emocionou com uma linda versão instrumental da música True Colors, de Cindy Lauper, que quem conhece sabe, tem uma letra forte e autoexplicativa para aquele momento chave da jovem moça que está destinada a viver como homem trans.

CONSOLIDAÇÃO

Todo esse clímax só é aceitável porque Glória Perez soube trabalhar a personagem aos poucos, com sutileza. Nada do que vimos neste capítulo foi brusco ou forçado. Foi apenas um momento que Ivana precisava passar em sua dura travessia. Se Joyce e Eugênio (Dan Stulbach) ainda vão demorar para aceitar o Ivan que está nascendo, o público brasileiro já o aceita desde sempre.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias