Star Wars: Leia Organa, de Carrie Fisher, é a pureza da esperança

Star Wars: Os Últimos Jedi, tal qual O Despertar da Força, tem a função de estabelecer a personagem de Carie Fisher no lugar de destaque que sempre lhe foi devido

Reprodução
Star Wars: Os Últimos Jedi, tal qual O Despertar da Força, tem a função de estabelecer a personagem de Carie Fisher no lugar de destaque que sempre lhe foi devido - Reprodução

Luke Skywalker é o herói? Era? Talvez o mundo fosse quadrado (leia-se: machista) demais para perceber a força de Leia Organa, a princesa de Alderaan, transformada em líder da rebelião contra o temível imperador Palpatine. Luke assume o holofote, é a sua jornada a ser contada na trilogia inicial de Star Wars. Mas é um dos Skywalkers. Quando, ainda jovem, parte no meio do seu treinamento para enfrentar Darth Vader em O Império Contra Ataca, o jovem Jedi imprudente exibe ao Mestre Yoda a face tempestuosa que lhe aproximará do Lado Negro da Força. 

Luke Skywalker nunca foi o herói ideal a carregar os Jedi adiante. Ao ver o aprendiz partir, Yoda diz: "Ainda há outro". Ou outra, no caso. Leia é o oposto do seu irmão em personalidade, igualmente forte na Força, embora nunca treinada. Enquanto Luke tem dificuldade em lidar com a raiva e a frustração e isso o aproxima perigosamente do lado sombrio dos Sith e o afasta do caminho Jedi, Leia é a representação máxima da esperança. A figura que jamais cairia.

Ficou, contudo, no segundo plano da trajetória de Star Wars, sem sequer herdar o sobrenome perigosíssimo de Skywalker. Permaneceu Organa, como era quando foi adotada. Os Últimos Jedi, tal qual O Despertar da Força, tem a função de estabelecer a personagem de Carie Fisher no lugar de destaque que sempre lhe foi devido - em uma das cenas mais emocionantes do filme que estreia no Brasil na madrugada desta quarta-feira (13/12), para quinta, ela prova que a Força é poderosa nela, sim.

 

Despedida

Carrie Fisher morreu no fim do ano passado, em dezembro. Os Últimos Jedi é sua despedida. E que adeus, meus amigos. Leia nunca foi tão poderosa e, ao mesmo tempo, serena. A luta nunca foi totalmente vencida ao final de O Retorno de Jedi, quando Vader e Palpatine perecem. Han Solo partiu. O filho deles, Ben Solo, tornou-se Kylo Ren e trilhou o caminho maligno do avô. O irmão Luke decidiu se ausentar da briga por perceber um distúrbio no equilíbrio da força. Restou a ela, Leia, a função de agrupar aqueles que gostariam de ver o Império - e, agora, a Nova Ordem - derrotados. 

Os números não lhe favorecem, as estratégias inimigas são cada vez mais agressivas, e Leia sente cada perda, cada vida rebelde que se vai nas ações militares. Tem candura e compaixão. Tem também um brilho no olhar, um desejo pela vitória. E, principalmente, pelo fim dessa guerra que foi iniciada em 1977 (para a gente, pelo menos, tão distante dessa galáxia onde batalhas inteiras são resolvidas com um duelo de sabre de luz).

A Leia de Fisher, 40 anos da estreia do primeiro Star Wars, ganha sua versão mais digna e justa. Foi preciso desse tempo todo para escancarar a fragilidade masculina do universo criado por George Lucas. Fisher se foi sem aproveitar o gosto de ver sua personagem tratada como merece. Mas deixa Rey, vivida por Daisy Ridley, com um belo caminho pela frente.

 

Leia Também

Newsletters

Ver todas

Fique por dentro de tudo que acontece. Assine grátis as nossas Newsletters.

Últimas notícias