Dia do Dublador: Saiba como surgem as vozes por trás dos personagens

E justamente nesta sexta-feira (29), comemora-se o Dia do Dublador, e por conta disso, o Jornal do Commercio quis entender um pouco mais por trás de universo onde não só a voz interessa

Foto: Divulgação/Reprodução Facebook
E justamente nesta sexta-feira (29), comemora-se o Dia do Dublador, e por conta disso, o Jornal do Commercio quis entender um pouco mais por trás de universo onde não só a voz interessa - FOTO: Foto: Divulgação/Reprodução Facebook

Dublado ou legendado? Essa é um questionamento que sempre fazemos antes de escolher a sessão. Mas gostemos ou não, a dublagem é algo muito importante para a popularização de um filme, seriado ou desenho animado. Segundo a Sociedade de Brasileira de Dublagem (SBD), em Pernambuco, apesar da efervescência do mercado cinematográfico e das animações, não há estúdios de dublagem e os produtores encontram dificuldades para lançar filmes com falas. Contudo, apesar da ausência de talentos no Estado, a produção e o consumo de conteúdo dublado têm avançado significativamente nos últimos anos no Brasil, tanto no cinema como na televisão. E justamente nesta sexta-feira (29) comemora-se o Dia do Dublador e, por conta disso, o Jornal do Commercio quis entender um pouco mais do universo onde não só a voz interessa.

Serviços de filmes e séries de televisão via streaming, como Netflix e Amazon têm investido cada vez mais na dublagem. Em 2015, seis em cada dez brasileiros preferiam ouvir áudio português nos cinemas, conforme pesquisa divulgada pelo Filme B, plataforma que monitora dados do cinema no Brasil. E no último mês de agosto, a Netflix divulgou dados que apontam que a dublagem é preferida pelos brasileiros. O maior exemplo é a série “Arrows”, assistida na opção dublada por 93% dos 'brazucas'. Depois dela, está “Diários de um Vampiro”, com 92%. Já a produção original “Os Treze Porquês” foi vista dublada por 84%.

Com mais de 500 dubladores profissionalizados no Brasil, de acordo com levantamento da Sociedade Brasileira de Dublagem, é preciso destacar a necessidade de uma capacitação para entrar nessa área. “Para ser dublador é preciso ser ator profissional e se especializar em dublagem fazendo cursos. Além de ter uma excelente dicção”, explica a SBD. O dublador florianopolitano Marcelo Trigo, que atualmente mora em Pernambuco, já deixa o alerta que o mercado é extremamente competitivo. “É um mercado super difícil, cruel, competitivo onde os mais velhos, principalmente no Rio de Janeiro e São Paulo, barram os mais novos e fica bem difícil entrar e ficar”, ressalta.

Conhecidos pela voz

O termo dublagem tem sua origem na palavra em francês “doublage”, e significa a substituição da voz original de produções audiovisuais (filmes, novelas, desenhos animados, entre outros) pela voz e interpretação de um ator do idioma nativo do país em que ela será exibida. O cinema começou a dublar a partir de 1927, com o filme “The Jazz Singer – O Cantor de Jazz” com poucas falas. Já o primeiro filme totalmente dublado foi “Luzes de Nova York”, lançado em 1929.

 

 

Os estados do Rio de Janeiro e São Paulo são os mais importantes no mercado nacional e sediam as maiores empresas do País como Herbert Richers e BKS, ex-AIC - um dos primeiros estúdios brasileiros, criado em 1962, após decreto de Jânio Quadros determinando que todos os filmes transmitidos pela TV deveriam ser dublados.

Chegou um período em que a Herbert Richers, por exemplo, tinha uma folha de pagamento gigante e quebrou.“Nos anos 2000, as pessoas trabalhavam com contrato e salário fechado, aí veio a crise, que com a chegada da tecnologia para dublar filmes começou a se pulverizar pelo estado do Rio de Janeiro e também por São Paulo. Então, não precisávamos ter um mega estúdio, com atores contratados e ganhando salário fixo para fazer dublagem. Com a chegada da internet, começou a rolar muito freelancer”, contou Marcelo, que trabalha na empresa até 2006.

Antigo funcionário da Herbert Richers, Phillippe Maia, famoso por dublar Chris Rock na série ‘Todo Mundo Odeia o Chris’, conta que o importante do avanço da tecnologia foi a permanência da dublagem nos cinemas brasileiros. “Interpretar personagens mundialmente ou nacionalmente conhecidos é interessante porque a dublagem é muito abrangente, né? A gente dubla os filmes e as dublagens vão diretamente pro cinema. Praticamente todos os filmes têm cópias dubladas, isso é coisa desse século. Com isso a gente vai ficando mais conhecido”, contou o dublador.

 

 

Além do famoso 'Brooklyn, 1986', Phillippe colocou sua voz nos papéis de Remy em Ratattouille; Ragnar Lothbrok em Vikings; Paul Walker em Velozes e Furiosos 4, 5, 6 e 7, Linha do Tempo e 13º Distrito; Jacob Black em Amanhecer Parte 1 e 2; Ryan Reynolds em “Quase lá”, “Big Monster on Campus”, “Tres Vezes Amor”, “A Ultima Cartada”, “A Proposta”, “Número 9”, “Lanterna Verde”, “Eu Queria Ter a Sua Vida,”RIPD”, “Protegendo o Inimigo”, “Ted”.

 

 

“Em contrapartida é um trabalho bem ingrato também, porque as pessoas não conhecem você e não te reconhecem como ator e estão sempre reclamando do fato que os filmes dublados são filmes que não tem qualidade. Quando na verdade muitos dubladores são atores de teatro e acabam não conseguindo dividir uma vida ganhando um bom salário”, diz Marcelo, que atualmente dubla um personagem da animação ‘Pedrinho, e a chuteira da sorte’. “Quando o dublador deixa de fazer sucesso na tv, ele deixa de dublar ou ele volta para o ofício, apenas com a confirmação de um contrato muito rico”, acrescenta.

Dublado ou legendado: Eis a questão?

No meio de discussões favoráveis ou contrárias sobre o avanço da dublagem no Brasil, um contraponto faz-se necessário. Os custos de dublagem de um programa podem ser muito altos, enquanto a legendagem tem sido tradicionalmente mais barata.  Algumas dublagens podem ser até sete vezes mais caras que os longas legendados.

Segundo os dubladores entrevistados, a legendagem e a dublagem foram fortemente monitoradas e restritas a diretrizes rígidas. Isso aconteceu para promover a língua nacional em certos casos e reduzir a influência de línguas estrangeiras. A dublagem se tornou popular nesses países e filmes estrangeiros foram dublados na língua nacional.

A dublagem se torna essencial para quem não consegue ler, como crianças ou surdo-mudos. É possível entender que a opção em seu idioma original possa agradar mais do que a dublada. Todavia, julgar a arte da dublagem como ruim' e ''somente para crianças'', é um desconhecimento, não apenas por descartar toda a história do processo e seu desenvolvimento, mas também por não levar em consideração que existe mais de um tipo de público, seja idoso, seja criança, seja adulto ou fãs de um determinado dublador.

Processo

A dublagem é feita em estúdios especializados, com profissionais diversos, dentre os quais os dubladores, aqueles que, com sua voz e interpretação, substituem as vozes de obras estrangeiras por uma versão nacional. Efeitos sonoros de uma produção televisiva ou cinematográfica dubladas não são completamente substituídos. “O que acontece é que, no momento da fala de um personagem, o som original é trocado pelo áudio em português, e uma mixagem de som é feita para adaptação para a língua nativa”, conta Luiz Joaquim, coordenador do curso de Cinema e Audiovisual da Faculdade Aeso Barros Melo, que oferece atividade de produção fonográfica, para pensar a trilha sonora.

Por muitos anos, a dublagem dominou majoritariamente a TV aberta, e, nos últimos tempos, tem avançado também sobre a TV por assinatura. Pesquisa realizada pelo Ibope no ano passado revelou que 58% dos brasileiros que assinam TV optam por assistir com o áudio em português.

O avanço da dublagem sobre conteúdo cinematográfico e televisivo, porém, não significa melhora no serviço. Pelo contrário. Com aumento da demanda, mas mesma quantidade de atores dubladores, a qualidade tende a cair. Estúdios de dublagem ativos começam a operar às 10h e só param às 22h. "Com o aumento da demanda por produção para televisão por assinatura ou serviços via streaming, um conteúdo chega pela manhã em um estúdio – como um episódio de uma série de TV – e, à noite, já precisa estar pronto. Em um mesmo dia, um ator pode interpretar até cinco vozes de personagens", conta a SBD.

Antes de dublar é preciso atuar. A dublagem é uma especialização para atores. Cursos específicos para a carreira podem ser encontrados nos sindicatos da categoria. A escolha do dublador para interpretar determinado papel pode ser feita pelo diretor de dublagem, ou por um coordenador do estúdio ou pela distribuidora. O alerta que fica é que no curso dedicado a dublagem se aprende sobre postura diante do microfone, técnicas de respiração, dicção, interpretação e principalmente sincronismo labial. 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias