Cauã Reymond corrige ao vivo apresentadoras do 'Vídeo Show'

Muito à vontade, ator consertou por várias vezes as âncoras do vespertino

Foto: Instagram/@amorimvivian/Reprodução
Muito à vontade, ator consertou por várias vezes as âncoras do vespertino - FOTO: Foto: Instagram/@amorimvivian/Reprodução

O ator Cauã Reymond foi o convidado desta terça-feira (7) do Vídeo Show, da TV Globo, para participar do quadro de homenagens Meu Vídeo é Um Show. O que as apresentadoras Sophia Abrahão, Vivian Amorim e Ana Clara não contavam é que o artista fosse prestar atenção em tudo que o trio falava, fazendo várias correções às âncoras do vespertino.

De acordo com informações do portal UOL, primeiro ele apareceu sozinho no estúdio, com as apresentadoras trancadas do lado de fora. Após Vivian Amorim comentar que Juliana Paiva "só tinha dois passos para fazer câmera lenta e fez", ao verem uma cena de O Tempo Não Para, foi corrigida pelo ator. "Ela não, o diretor", deixando-a sem graça.

Após assistirem a algumas reportagens da atração, Sophia Abrahão se enrolou com o texto. "Estou até desconcentrada", confessou, ao não conseguir dizer "a campanha do Criança Esperança". Cauã assumiu o comando então, lendo o que ela tinha a dizer. "Ganho aumento de salário?", brincou.

O ator também chamou atenção para Ana Clara: "Deixa ela falar, coitada, fica lá de canto com a internet", soltou, ao perceber a jovem no canto. Em outro momento, corrigiu a ex-BBB, que anunciou Letícia Colin como seu par em Malhação. "Não, ela era pequenininha! Meu par era a Bárbara Borges".

Vivian foi chamada a atenção mais uma vez por Cauã. "Textinho todo decorado, hein?", divertiu-se, quando ela conseguiu falar duas frases sobre a novela Da Cor do Pecado e depois sobre Avenida Brasil. "Ela fala 'tumar', né? Acho engraçado", observou, sobre o sotaque da manauara.

MAIS SUFOCO

O trio ainda passou por mais uma correção quando falaram de de Tony Ramos em A Regra do Jogo (2015), e Sophia se equivocou: "O primeiro vilão dele, eu acho.". Mas Cauã Reymond foi didático ao explicar. "A primeira vez que ele fez um vilão houve uma rejeição, porque as pessoas estavam acostumadas a vê-lo como mocinho", disse, referindo-se a Torre de Babel (1998).

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias