CONTROVÉRSIA

O livro proibido: saiba quem é o autor que se passou por Eduardo Cunha na prisão

Obra seria publicada no dia 27 de março, mas a Justiça do Rio de Janeiro proibiu o lançamento

JC Online
JC Online
Publicado em 28/04/2017 às 10:00
Foto: Divulgação
Obra seria publicada no dia 27 de março, mas a Justiça do Rio de Janeiro proibiu o lançamento - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

Por conta de um processo judicial, a editora Record foi obrigada a revelar o autor do livro Diário de Cadeia, um romance ficcional sobre o cotidiano do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha. O criador é Ricardo Lísias, escritor paulista que já escreveu obras como O Céu dos Suicidas (2012). Ele é conhecido por desenvolver personagens que misturam ficção e realidade.

Consagrado na literatura nacional, Lísias venceu o Prêmio Oceanos em 2007 e foi finalista do Jabuti e do Prêmio São Paulo de Literatura em 2008 e 2010, respectivamente.

A obra seria publicada no dia 27 de março, mas a Justiçã do Rio de Janeiro proibiu a venda. Foi aplicada uma multa de R$ 400 mil por dia e a "identificação imediata do autor desconhecido" - a obra era falsamente assinada por Eduardo Cunha, sem sua autorização.

ENREDO

Em Diário de Cadeia, o autor imagina a rotina de Eduardo Cunha na prisão de Curitiba, no Paraná. O livro é uma sátira do ex-deputado, usando até suas reações quando descobre que escreveram um livro usando o seu nome.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias