PREMIAÇÃO

Salão de Humor Gráfico de Pernambuco anuncia vencedores

Foram R$ 28 mil em prêmios para os melhores trabalhos de caricatura, cartum e quadrinhos

JC Online
JC Online
Publicado em 30/10/2018 às 21:14
Divulgação
Foram R$ 28 mil em prêmios para os melhores trabalhos de caricatura, cartum e quadrinhos - FOTO: Divulgação
Leitura:

Os 133 trabalhos selecionados para a terceira edição do Salão de Humor Gráfico de Pernambuco buscaram revelar e criar comicidade e poética dentro do universo da literatura. Na noite de terça (30), com a abertura da exposição, houve também o anúncio dos grandes vencedores do evento, que vão levar, juntos, R$ 28 mil em prêmios. Os cartuns, caricaturas e quadrinhos selecionados seguem em exposição de quarta (31/10) até 9 de dezembro, na Caixa Cultural Recife, com entrada gratuita.

Os cinco jurados convidados – Anne Derenne (França/Espanha), Ares (Cuba), Lorena Kaz (Rio de Janeiro/São Paulo), Luiz Carlos Fernandes (São Paulo) e Rafael Coutinho (São Paulo) – chegaram na sexta-feira ao Recife para escolher os vencedores. “A qualidade dos trabalhos foi excelente, com um nível alto, ainda mais entre as caricaturas. O que eu procuro ao analisar são estilos e técnicas novas, e isso me chamou atenção em vários casos. Tivemos muitos trabalhos bons da Espanha também”, comenta Fernandes.

Para Lorena e Rafael, as caricaturas também se sobressaíram. “Havia várias dignas de prêmios, assim como muitos cartuns ótimos. No caso das HQs, não existe uma cultura de participar de salões de humor assim, mas os trabalhos foram muito legais”, destaca a artista. “Além disso, a exposição com os trabalhos dos convidados do júri ficou muito lega, com um diversidade de estilos e áreas de atuação.”

Com sua trajetória mais voltada para as artes plásticas e para os quadrinhos, Rafael apontou que a pouca presença de HQs é sinal de que os autores da área estão poucos conectados com o sistema dos salões. Filho da cartunista Laerte Coutinho, ele lembra que os eventos eram ainda mais grandiosos nos anos 1980 e 1990. “Era um período em que não se precisava pedir dinheiro para fazer os grandes eventos de humor gráfico. Depois disso, por muito tempo, ficou-se dependente de editais eventuais. Agora vemos uma retomada de projetos, com olhares novos como o de Samuca, que acho essencial”, aponta o autor de Mensur (Companhia das Letras)

VENCEDORES

As caricaturas, grande destaque da edição, trouxeram variedade de técnicas e estilos. O artista gráfico espanhol Turcios foi o grande vencedor da categoria, com uma recriação sintética e quase cubista do escritor colombiano Gabriel García Márquez. Outros dois espanhóis se destacaram nas caricaturas: Joaquín Aldeguer, que desenhou Paulo Coelho e ficou com o segundo lugar; e Pugliesde, que recriou Edgar Allan Poe, com uma menção honrosa – o caricaturista brasileiro Ulisses também recebeu o mesmo destaque com seu retrato do casal Sartre e Simone de Beauvoir.

Entre os cartuns, o grande vitorioso foi o mexicano Boligán, que trouxe o estranhamento de um jovem diante de um livro, abrindo-o como um notebook. O artista gráfico do Cazaquistão Galym, segundo lugar na categoria, mostrou o vazio interno como o ponto de iluminação da criação literária. As menções honrosas foram para trabalhos de Silvano Mello, do Brasil, e Rafat Alkhateeb, da Jordânia.

Os quadrinhos, categoria com menor número de inscrições e selecionados, por conta da pequena tradição nos Salões de Humor Gráfico, tiveram como grande vencedor o quadrinista Evandro Alves, brasileiro como todos os premiados da categoria, que recriou a trama de Guerra dos Mundos. O segundo lugar foi para Rafael Corrêa, que brincou com a mitologia grega do Minotauro. As menções honrosas foram para Daniel Dias Lafayette e A. Azevedo.

Últimas notícias