São João

Arraial da Tomazina abre espaço para rock e eletrônica no São João

Guardaloop, Babi Jaques e os Sicilianos e Zé Brown tocam hoje

AD Luna
AD Luna
Publicado em 22/06/2011 às 6:00
Leitura:

Assim como acontece no Carnaval do Recife, o São João da capital pernambucana abre espaço para estilos alternativos ao forró e afins. O Arraial da Tomazina – uma parceria entre a Prefeitura do Recife e a Casa de Produção – inicia sua oitava edição, hoje, na Rua da Moeda, com shows das bandas Guardaloop, Babi Jaques e os Sicilianos e do rapper Zé Brown. Até o sábado (25), apresentam-se mais nove bandas e artistas de estilos que vão do rock (UR7, Noite em Moscou, Elemento Natural, Quarto Astral), passando pela eletrônica (Digital Groove, Sonic Jr.), hardcore (Os Cachorros, que volta aos palcos após três anos de pausa), até os sons quase inclassificáveis do Feiticeiro de Julião e Caravana do Delírio. Após os shows, que estão marcados para começar sempre às 23h, as celebrações continuam na tenda Moeda Eletrônica, onde acontece a reunião das festas Putz! e Sem Loção.

Guardaloop aproveita a ocasião para mostrar canções do seu segundo CD, previsto para setembro. A banda deve fazer o povo dançar com sua mistura de afrobeat, dub, carimbó, eletrônica e reggae. O nome é uma referência ao bairro olindense de Guadalupe, base de seu fundador, o baterista Hugo Carranca (ex-Sheik Tosado, Bonsucesso Samba Clube, Otto e Naná Vasconcelos). Além dele, fazem parte do grupo, Igor San (baixo e backing vocal), Marquinhos Costa (guitarra e vocal) e Leo Oroska (percussão e backing vocal).

Babi Jaques e os Sicilianos é uma das boas surpresas da nova geração de bandas pernambucanas. O quarteto tem recebido elogios nos diversos festivais independentes nos quais tem tocado, Brasil afora. Suas criativas letras (como Requerimento à censura), cantadas pela bonita e afinada vocalista Bárbara Jaques, são emolduradas pelos arranjos bem tocados e executados por Alexandre Barros (bateria), Thiago Lasserre (baixo) e Well (guitarra). O som reúne elementos do rock e do jazz e o figurino dos integrantes remete a filmes e personagens da máfia italiana.
Ainda no mesmo dia dos Sicilianos e Guardaloop, o rapper Zé Brown (ex-Faces do Subúrbio) apresenta suas experimentações em torno do rap e ritmos tradicionais nordestinos como o repente e o côco. Tal síntese pode ser conferida no CD Repente, rap, repente, lançado em abril do ano passado.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias