CRIME SEXUAL

Kesha desiste de parte das acusações de abuso sexual de ex-produtor

A cantora retirou a queixa da corte da Califórnia, mas o processo segue em Nova York

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 02/08/2016 às 13:10
Reprodução
A cantora retirou a queixa da corte da Califórnia, mas o processo segue em Nova York - FOTO: Reprodução
Leitura:

A cantora Kesha desistiu de seguir na Justiça da Califórnia (EUA) com seu processo por abuso sexual contra o produtor musical Dr. Luke. "Kesha desistiu de sua ação na Califórnia sem prejuízos enquanto vai atrás de seu apelo e de outras reclamações legais na corte de Nova York. Kesha está focada em voltar ao trabalho e entregou 28 novas músicas para a gravadora. Nos mudamos para a Sony Music e Kesha tem um grande desejo em lançar seu próximo álbum e seu próximo single o quanto antes possível", disse o advogado da cantora, Daniel Petrocelli, ao site Entertainment Weekly.

A advogada de Dr. Luke, Christine Lepera, também falou sobre o caso: "Se Kesha está voluntariamente desistindo de suas reivindicações no caso da Califórnia, é porque ela não tem chance de ganhá-las. No começo deste ano, ela perdeu suas contra-acusações sem mérito contra Dr. Luke na ação de Nova York Recentemente, a corte da Califórnia convidou Dr. Luke e outros da defesa para mudarem o local da ação, e derrubar as acusações de Kesha. Kesha nunca deveria ter levado suas falsas acusações contra Dr. Luke em corte alguma. A difamação de Dr. Luke e outras reivindicações contra Kesha continuam em andamento", esclareceu.

A cantora havia dado entrada no processo em Outubro de 2014, na Califórnia, alegando abuso sexual e emocional por parte de Dr. Luke, que negou todas as acusações. Um juiz californiano parou o andamento do processo em junho de 2015, citando uma cláusula no contrato de Kesha que dizia que qualquer disputa judicial deveria ocorrer na jurisdição de Nova York.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias