CARNAVAL

Música latino-americana marca presença no Rec-Beat 2017

Festival terá shows gratuitos de bandas do Chile, Argentina, Colômbia e Cuba no Paço Alfândega

JC Online
JC Online
Publicado em 21/02/2017 às 9:11
Foto: Victor Delfim/ Divulgação
Festival terá shows gratuitos de bandas do Chile, Argentina, Colômbia e Cuba no Paço Alfândega - FOTO: Foto: Victor Delfim/ Divulgação
Leitura:

Música do Mali, Argentina, Colômbia, Chile, Cuba, Bélgica, Pernambuco, Bahia, São Paulo e Rio de Janeiro. Tudo isso está no Rec-Beat deste ano, que acontece de sábado (25) a terça-feira (28), no Cais da Alfândega. O festival divulgou ontem a programação completa, com 23 atrações. 

O lendário Jards Macalé é a principal atração e traz aos palcos recifenses o desdobramento do seu show de 50 anos de carreira (ou “50 anos de correria”, como diz), completados em 2015. Acompanhado com a banda completa, ele vai passar tanto por hits como Vapor Barato e também novidades como a trilha que fez para Big Jato, mais recente longa de Cláudio Assis.

A presença de Jards dá continuidade ao trabalho da curadoria de Gutie, que sempre traz um artista fundamental da música popular brasileira, ainda que pouco lembrado ou posto em segundo plano, em shows que percorrem toda a sua carreira. Foi assim com os paraenses do carimbó e guitarrada Dona Onete e Mestre Vieira, o vanguardista paulistano Arrigo Barnabé, os sambistas Nelson Sargento e Riachão e agora Jards.

“Jards tem muitas parcerias com (o poeta) Wally Salomão, Caetano Veloso, Maria Bethânia e cumpre esse objetivo da exploração da música subterrânea, que tá nas vidas das pessoas mas elas não paravam para perceber. A Vapor Barato, por exemplo, muita gente mais jovem acha que é uma música d’O Rappa”, comenta o curador e produtor Gutie.

Outro ponto reforçado pelo festival é o espaço destinado à música latino-americana, mostrando a face atual da produção dos hermanos. É o caso da cantora cubana La Dame Blanche, que tem formação em jazz e promove a união entre o som caribenho e beats do rap. O Los Pirañas é um dos projetos de um núcleo de músicos que está recriando a cumbia e a salsa – tanto no Los Pirañas, que flerta com o rockabilly e surf rock, como em bandas como o Frente Cumbiero e Meridian Brothers. Já a argentina Morbo Y Mambo é uma banda instrumental voltada à improvisação que parte das bases do soul, funk e mambo.

“Eu percebi há um bom tempo que a gente tem muito pouco contato, muito pouca informação da produção latina contemporânea. Eu parti dessa pergunta: o que está acontecendo nesses países? O que a galera tá fazendo? Foi quando eu comecei a ter contato e ver que tem uma galera fazendo música boa e que merece ser ouvida”, diz Gutie sobre a proximidade do Rec-Beat com as novidades latinas. 

“Muitas bandas começam a fazer projetos conjuntos também. Barro gravou com Catalina García, do Monsieur Periné, que veio pra cá. Catalina também queria uma coisa em português, eu botei Tulipa Ruiz em contato... aos poucos os laços vão se estreitando”, comemora o produtor.

A presença dos músicos pernambucanos diminuiu: foram 13 artistas locais no ano passado contra quatro deste ano. Porém, a qualidade permanece. Merece destaque os shows da cantora e dançarina Flaira Ferro com a banda Wassab e do pianista Vitor Araújo, que apresenta o repertório de Levaguiã Terê, uma fusão do candomblé e música indígena com música erudita – mostrando que há espaço para todo tipo de som no Carnaval, desde que curadores estejam atentos e dispostos à experimentar. 

ORGANIZAÇÃO

No ano passado, o line up completo foi anunciado faltando 11 dias para a realização deste festival. Este ano, o anúncio foi feito quando restavam apenas cinco dias para os shows. Gutie explica que essa divulgação às vésperas acontece por cuidado na contratação dos artistas e devido à dinâmica de verba do festival, que tem patrocínio da Prefeitura do Recife, copatrocínio da Caixa e Governo Federal, além de Incentivo do Funcultura e patrocinadores privados como o Café Santa Clara, Copergás, Funarte/Ibermúsicas, Institut Français, Paço Alfândega, Spotify e Ecohus.

“A gente sempre procura viabilizar mais recursos. À medida que a gente vai captando, vai fechando a programação. Demora um tempo, mesmo pela própria dinâmica que o festival tem de ser aberto, durante o Carnaval”, aponta.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA DO REC-BEAT 2017:

Sábado, dia 25/02/17

20h - DJ Rimas.INC (PE)**
21h - The Baggios (SE)
22h - Seu Pereira e Coletivo 401 (PB)
23h10 - O Terno (SP)
00h30 - Áttoxxá (BA)

Domingo, dia 26/02/17


15h - Recbitinho: Cordel Animado e Cia Fátima Freitas (Frevo)*
19h30 - Dj Gustavo Pontual (PE)**
20h - Marsa (PE) 
21h - Craca e Dani Nega (SP)
22h - Negros de Harvar (Chile)
23h10 - Rashid (SP)
00h30 - Morbo Y Mambo (Argentina)

Segunda, dia 27/02/17


15h - Recbitinho: Cordel Animado e Cia Fátima Freitas (Caboclinho)*
19h30 - Dj Guilherme Gatis (PE)**
20h - Dez Mona (Bélgica)
21h - Vitor Araújo (PE)
22h - La Dame Blanche (Cuba)
23h10 - As Bahias e a Cozinha Mineira (SP)
00h30 - Los Pirañas (Colombia)

Terça, dia 28/02/17


15h - Recbitinho: Cordel Animado e Cia Fátima Freitas (Pierrô e Colombina)*
16h - Recbitinho: Bandalelê e Bloco Balança Rolhinha*
19h30 - DJ Bernardo Pinheiro (PA)**
20h - Flaira Ferro & Wassab (PE)
21h - Quartabê (SP)
22h - Teto Preto (SP)
23h10 - Inna Modja (Mali)
00h30 - Jards Macalé (RJ)

(**) - Os Djs fazem a abertura da noite e intervalos entre as bandas.
(*) - Recbitinho na área interna térrea do Paço Alfândega.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias