REC-BEAT

Cubana La Dame Blanche leva mistura de rap e música latina ao Rec-Beat

Cantora é atração desta segunda-feira (27), junto com Vitor Araújo, Bahia e as Cozinhas Mineiras e Los Pirañas

GG ALBUQUERQUE
GG ALBUQUERQUE
Publicado em 27/02/2017 às 11:25
Foto:Gunther Klebinger/ Divulgação
Cantora é atração desta segunda-feira (27), junto com Vitor Araújo, Bahia e as Cozinhas Mineiras e Los Pirañas - FOTO: Foto:Gunther Klebinger/ Divulgação
Leitura:

Cantora, flaustista e percussionista formada no jazz, a cubana Yaite Ramos Rodrigues teve sua vida mudada pelo hip hop, assumiu o nome artístico de La Dame Blanche, fundindo ritmos latinos com o rap. É este o som que ela apresenta nesta segunda-feira como uma das principais atrações do Rec-Beat – que também terá shows gratuitos de Dez Mona (Bélgica), Vitor Araújo (PE), Bahia e as Cozinhas Mineiras (SP) e Los Pirañas (Colômbia), a partir das 20h, no Cais da Alfândega.

“Mais precisamente venho do Jazz Latino. Em um ponto na minha vida eu senti a necessidade de abandonar a minha obsessão de conquistar o público com experiências musicais que, apesar de sua beleza, não atingiram o ouvinte como eu esperava. Talvez porque era muito técnico, muito protocolo e até mesmo ‘limpa’, você sabe. E foi aí que naturalmente me deixei levar pelo hip hop e mudar a técnica vocal e uma música mais complexa para um bom flow, uma boa cadência”, diz La Blance, que vem de uma família de músicos tradicionais do país, incluindo membros da Orquestra Buena Vista Social Club.

CUBA

Há uma lenda de que a música norte-americana é proibida ou banida de Cuba. Ela esclarece que isso é coisa do passado: “A música americana foi banida em Cuba. Hoje é compartilhada por meio da internet e de outras vias que nos chegam de fora. Em Cuba eu ouvia música local e algumas outras coisas que meu pai trouxe de suas viagens, salientando que não foi toda a música americana que foi proibida em Cuba. O cubano é curioso, é por isso que talvez nós sempre estamos sempre ciente de uma ou outra nova tendência. Ao chegar em Paris, com a sua diversidade musical e sua supermídia de difusão, descobri esta outra forma de expressão que é o rap”.

Apesar de historicamente o gênero ter um caráter político e social muito forte, ela não enxerga sua música nesses moldes. “Prefiro dizer que a minha música é um modo de expressão popular. A palavra política, não a suporto”, afirma.

No final do ano passado, ela lançou o álbum La Dame Blanche 2 pelo selo Wakan Tanka Records, do mestre argentino da cumbia eletrônica El Hijo de Cumbia, que também produziu o disco. O trabalho ampliou a paleta sua paleta de sons: há cumbia, salsa, hip hop, dub, reggae e toques de música eletrônica – como no single Esa Noche, carro-chefe de seu repertório. Ela está sempre pesquisando mais e mais sons e diz que tem uma atenção especial na música brasileira.

“Nós cubanos somos fanáticos seguidores da música latina e estudamos a música do Brasil com dedicação por sua riqueza harmônica, melódica e rítmica”, conclui, mencionando influência de Roberto Carlos (“cantamos suas canções a plenos pulmões”), Elis Regina e Gilberto Gil.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias