Punk

Banda Joseph Little Drop lança segundo álbum

Mais madura musicalmente, banda potiguar lança 'Clube Secreto do Corte de Cabelo'

Erika Muniz
Erika Muniz
Publicado em 04/10/2018 às 12:26
Foto: Divulgação
Mais madura musicalmente, banda potiguar lança 'Clube Secreto do Corte de Cabelo' - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

Com mais de três anos de formação, a banda potiguar Joseph Little Drop lança seu segundo álbum Clube Secreto do Corte de Cabelo, através do projeto Incubadora DoSol. No anterior, intitulado Punk José (2017), cujas gravações se dividiram entre as casas de alguns integrantes e o estúdio, a sonoridade underground e as letras carregadas de humor característica do grupo já se manifestavam. Neste mais recente, todo gravado no Estúdio DoSol, com a direção e mixagem de Yves Fernandes, eles solidificam sua identidade sonora punk.

A banda, que já se apresentou duas vezes no Recife, é formada por Daniel Lucena (voz), Filipe Marcus (baixo e voz), João Pedro (guitarra e voz), Quel Soares (bateria) e Vitor Alexander (guitarra). Em entrevista ao Jornal do Commercio, o baixista revela que, no trabalho atual, eles se percebem mais amadurecidos musicalmente, mas sem perder a identidade selvagem já conhecida pelo público. À medida que as gravações aconteciam e na execução das novas músicas durante os shows, os integrantes foram reconhecendo mudanças que viriam balizar o título do álbum com uma metáfora irônica. “Tive o pensamento de que esse álbum é a gente um pouco diferente, mas mantendo a essência. É como se eu chegasse em um lugar que há muito tempo não frequentava e estivesse com o visual diferente do que as pessoas estavam acostumadas, porque acharam parecido, mas, ao mesmo tempo, estranho e quando eu chegasse perto e cumprimentasse eles percebessem que era eu mesmo, só que com um visual diferente”, afirma Filipe Marcus.

Outro elemento comum às composições da JLD, que é retomado neste segundo trabalho, é a presença de personagens em algumas músicas. Como se fossem perfilados, muitos deles são criados a partir de referências do cinema, sobretudo do gênero terror trash, mas há também os que são provenientes dos noticiários dos jornais. No hit Vampiro Namorador, do primeiro disco, a composição de Filipe Marcus busca no oitentista Quando Chega a Escuridão (Near Dark), a narrativa de um vampiro apaixonado. Inspirado na história de um serial killer norte-americano, mas considerando um pouco do imaginário popular do Rio Grande do Norte, o personagem que dá título à quinta faixa, Richard Ramirez, não foi retirado da telona, mas dos jornais.

Arte da capa

“Quando eu era pequeno tinha uma minilenda criada por alguns pais, de que Juarez, um bandido estava solto em Currais Novos (cidade do Rio Grande do Norte), poderia nos pegar. Isso era mais para gente não querer ficar até tarde na rua, mas a sensação era de que ele era um ser praticamente onipresente quando caía a noite. Nesta música, tentei passar isso. Mesmo o Richard Ramirez nunca tendo sido solto, peguei o nome dele emprestado para a música”, explica Filipe Marcus, que além de músico é artista visual e designer e, por isso, desenvolve as capas, os encartes e os cartazes de eventos que a banda participa, mas também realiza trabalhos para outros artistas potiguares, como a banda Far From Alaska.

Faz parte das criações de Filipe Marcus o uso de cores como laranja, amarelo e rosa em tons mais fortes e, no caso da JLD, apesar de serem uma banda punk – que o preto poderia ser naturalmente predominante –, todos os projetos visuais têm muitas cores. “Uma cor específica pode trazer uma expressão específica. Sabendo disso você pode quebrar os padrões de sensações. Eu gosto de fazer alguns trabalhos sobre o terror com muitas cores. Isso acaba dando outro ar a algo que poderia ser sombrio”, explica o potiguar, que busca alguma de suas influências no filme Street Trash, de J. Michael Muro.

Para fazer a capa de Clube Secreto do Corte de Cabelo, assim que eles definiram o conceito do disco, Filipe foi buscar nas barbearias e salões de beleza africanos suas principais referências. “Muitos lugares pintam os tipos de corte de cabelo na parede. É algo que eu acho bonito. Sempre curti pinturas e tipografia vernacular. Achei que seria uma estética massa e que combinaria com a da banda. Existem muito dessas pinturas feitas à mão em botecos e mercadinhos, principalmente no interior e em bairros mais periféricos, e essa simplicidade feita de coração é meio que o que tentamos passar musicalmente”, pontua o artista. Clube Secreto do Corte de Cabelo está disponível nas plataformas Spotify, Deezer e no Youtube.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias