PRÉ-CARNAVAL

Mundo Livre S/A faz show no Polo Hip-Hop 2020 junto com grupo locais de rap

Edição deste ano do evento rende homenagem ao Manguebeat. Além dos grupo de hip-hop, a banda Mundo Livre S/A é uma das convidadas

Valentine Herold
Valentine Herold
Publicado em 14/02/2020 às 15:01
Foto: Divulgação
Edição deste ano do evento rende homenagem ao Manguebeat. Além dos grupo de hip-hop, a banda Mundo Livre S/A é uma das convidadas - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

O clima de Carnaval que já toma conta do Bairro do Recife será, neste domingo, também protagonizado pelas batidas do hip-hop pernambucano. Pela 17° vez, a Associação Metropolitana de Hip-Hop de Pernambuco (AMH2PE), com incentivo da Prefeitura do Recife e o apoio da Fundarpe, realiza o evento denominado Polo Hip-Hop, no Cais da Alfândega. Este ano, o movimento Manguebeat é homenageado com shows e apresentações de dança a partir das 16h, seguindo até meia-noite.

Segundo a organização do festival, um dos objetivos desta edição é de romper os estigmas de que o rap e o hip-hop são ambientes excludentes e machistas. "Queremos tornar o festival mais heterogêneo. Precisamos tentar trazer a perspectiva feminina através da presença de mulheres no palco", explica o coordenador-geral do evento, Sérgio Melo. “O hip-hop é uma forma de luta contra o obscurantismo e faz com que as pessoas reconheçam o seu lugar de fala. A luta contra qualquer tipo de preconceito é uma luta diária e o festival vem somar com esta luta."

Com a presença de Lula Dias e Mary Periférica como Mestres de Cerimônia, o grande destaque deste ano é a produção de um EP. Cada artista que se apresentar no palco será contemplado no disco com uma faixa. A programação começa com o cortejo da TCM Mangue Boys, uma agremiação carnavalesca que tem como maior fonte de inspiração o Manguebeat e que chega com a presença do boneco gigante de Chico Science.

Em seguida, sobem ao palco grupos e artistas locais, como Ibura Bagdá, A Cria, Lua MC, Gustavo Pontual, Rock Crew Master (coletivo de dança) e Sistema X. Nos intervalos dos shows, DJ Stanley e, encerrando o evento, a banda Mundo Livre S/A, uma das precursoras do movimento homenageado, se apresenta.

O Polo Hip-Hop 2020 também conta com uma mostra de arte urbana. Grafiteiros irão desenvolver sua arte nas paredes de um local já pensado para este fim. Os convidados deste ano são os artistas Téo Armando, conhecido pela série de grafitagens com o tema da cultura pernambucana na mostra R.U.A, e Guerreiro Master, um dos primeiros grafiteiros de Pernambuco e amante do funk e do break, já que fez parte de grupos como a Roboy, Break Brothers e Rock Master Crew. 

Rap e Manguebeat

O movimento Manguebeat nasceu entre o fim dos anos 1980 e o início dos anos 90 no Recife e tem seu marco inicial no ano de 1992, quando é publicado o Manifesto Caranguejos com Cérebro. Um dos maiores diferenciais das bandas precursoras do movimento foi justamente a amálgama musical entre ritmos regionais – como o maracatu, coco e cavalo marinho – e gêneros internacionais, como rock e muito hip-hop.

Programação:

16h: TCM Mangue Boys (Cortejo)

17h: Ibura Bagdá

18h: A Cria

19h: Lua MC

20h: Gustavo Pontual

20:50: Rock Master Crew (Danças Urbanas)

21h: Sistema X

22h: Mundo Livre S.A

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias