desfile

Veludo sem pinta de retrô no desfile da Osklen no São Paulo Fashion Week

Os materiais vestiram impecavelmente os ativistas urbanos com um sportswear contemporâneo e máxi nas proporções, para defender a natureza

Diogo Menezes
Diogo Menezes
Publicado em 19/01/2012 às 22:18
Foto: Agência Foto Site
FOTO: Foto: Agência Foto Site
Leitura:

SÃO PAULO - De dentro da sala de imprensa, na Bienal do Ibirapuera, onde acontece o São Paulo Fashion Week, dava para ouvir o barulho da forte chuva que está caindo na cidade e o clarão dos relâmpagos. O desfile da Osklen, repleto de máxi capuzes, parecia sugestivo. Mas o estilista Oskar Metsavaht fez bem mais do que isso. Ele transformou o veludo, tecido-chave da próxima estação, em algo cool, com zero pinta de retrô. O tecido ficou muito bem nos macacões tipo saruel em preto total com máxi capuz em neoprene.

Os materiais vestiram impecavelmente os ativistas urbanos com um sportswear contemporâneo e máxi nas proporções, para defender a natureza. Não à tôa, a coleção foi batizada de A21 e recorda os 20 anos da Conferência das Nações Unidas - Eco 92, realizada no Rio de Janeiro. Oskar foi nomeado pela Unesco embaixador e anfitrião na Conferência das Nações Unidas Rio+20, que acontece em junho.

Foto: Agência Foto Site
Veludo sem pinta de retrô no desfile da Osklen no São Paulo Fashion Week - Foto: Agência Foto Site
Foto: Agência Foto Site
Veludo sem pinta de retrô no desfile da Osklen no São Paulo Fashion Week - Foto: Agência Foto Site
Foto: Agência Foto Site
Veludo sem pinta de retrô no desfile da Osklen no São Paulo Fashion Week - Foto: Agência Foto Site
Foto: Agência Foto Site
Veludo sem pinta de retrô no desfile da Osklen no São Paulo Fashion Week - Foto: Agência Foto Site
Foto: Agência Foto Site
Veludo sem pinta de retrô no desfile da Osklen no São Paulo Fashion Week - Foto: Agência Foto Site
Foto: Agência Foto Site
Veludo sem pinta de retrô no desfile da Osklen no São Paulo Fashion Week - Foto: Agência Foto Site

 

Voltando aos earth-brigaders, eles saem para defender as questões ambientais com botas em tons de laranja, verde e azul oceano, com direito a plataformas inteiriças, tachas e apliques de pele - sintética, claro - e nos mesmos tons das botas. Os looks são volumosos, como camisas, saias e bermudas feitas de lã, moletom e couro de salmão e de pirarucu. O camuflado é geométrico nas estampas, ou floral psicodélico localizado. Nas jaquetas de couro, a nova onda do curto atrás e longo na frente, que já foi visto no Fashion Rio. Mesma proposta usada nos utilitários e modernosos máxi coletes de lã, que ficam mais leves quando usados com hot pants. Destaque para as camisas-mochila, para as bolsas utilitárias feitas de pelo, e para os óculos tipo máscara com lentes verdes.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias