Pegou mal

Comentário de Anitta sobre pessoas com hanseníase causa revolta

Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas Pela Hanseníase pede retratação

Márcio Bastos
Márcio Bastos
Publicado em 12/04/2018 às 14:28
Reprodução
Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas Pela Hanseníase pede retratação - FOTO: Reprodução
Leitura:

Um comentário feito durante o programa Anitta Entrou no Grupo, no Multishow, tem causado revolta na internet. Nele, a apresentadora e pop star afirmou que só chamava para a atração "gente que ela ama" e não "gente hanseníase". Diante da declaração, o Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas Pela Hanseníase (Morhan) e outras entidades estão pedindo retratação por parte da artista.

Segundo o movimento, a cantora reforçou preconceitos que levam à exclusão de pessoas com hanseníase. A doença tem cura e não há risco de transmissão quando a pessoa está sendo tratada. 

LEIA TRECHOS DA PETIÇÃO:

"Em seu programa no Multishow, Anitta fez uma declaração lamentável, tentando "causar" reafirmando um preconceito infundado contra pessoas atingidas pela doença. Anitta não sabe, porque o desconhecimento de fato é o principal obstáculo à superação da hanseníase no Brasil, mas a cada ano 35 mil novos casos são diagnosticados no país, tornando o Brasil o campeão mundial em novos casos proporcionais da doença.

Essa altíssima incidência em nada é culpa das pessoas atingidas pela hanseníase: é o descaso do poder público, falta de informação e vontade política de resolver a questão e condições de vulnerabilidade social os principais fatores para que ela continue se propagando, mesmo tento cura e tratamento gratuito pelo SUS.

Ao contrário do que a cantora sugere no programa, não há nenhum motivo para se evitar pessoas atingidas pela hanseníase: assim que iniciado o tratamento, a doença deixa de ser transmissível.

Nas redes sociais, o comentário também repercutiu negativamente. Veja algumas das reações:

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias