Lembrança

'Realmente vi umas coisas', diz Caetano Veloso sobre experiência com ayahuasca

'Nunca tomei ácido. Tomei ayahuasca, em 1968', disse o compositor

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 28/11/2018 às 10:08
DIVULGAÇÃO
Live de Caetano Veloso é realizada nesta sexta-feira - FOTO: DIVULGAÇÃO
Leitura:

Caetano Veloso falou sobre consumo de drogas e relembrou o tempo em que foi perseguido pela ditadura militar. As declarações foram feitas durante a edição desta segunda-feira(26), do programa Lady Night, com Tatá Werneck.

O cantor lembra que era jovem nos anos 1960 e que teve experiências com o popular chá de santo-daime. "Nunca tomei ácido. Tomei ayahuasca, em 1968. Realmente vi umas coisas. Vi corpos de pessoas indianas, homens e mulheres todos nus, e que dançavam formando também mandalas. Essas mandalas iam aos poucos desenhando um rosto que era o centro de tudo, o Deus. Fiquei horas sofrendo, muito consciente de que estava mal", relembra. Caetano Veloso declarou que preferia ficar mais na cerveja e na cachaça.

Exílio

Sobre a época em que foi perseguido pela ditadura, o cantor relatou que ficou na cadeia por dois meses. "Uma semana na solitária deitado no chão com uma porta de ferro, sem que ninguém me dissesse por quê. Não fui interrogado, havia desorganização, desrespeito pela pessoa humana. Não sofri tortura como algumas que morreram, foram assassinadas dentro de locais", afirmou.

Caetano Veloso disse que ficou quase três anos na em Londres, Inglaterra, e que depois conseguiu voltar ao Brasil. "Não saio daqui agora, só se for obrigado", concluiu o cantor.

Últimas notícias