Redução

CMN reduz para 8% ao ano juros de linha de crédito para empresas afetadas pela crise

Redução dos juros foi decidida em reunião extraordinária do CMN nesta quinta

Priscila Miranda
Priscila Miranda
Publicado em 05/07/2012 às 19:51
Leitura:

As linhas de crédito do Programa Revitaliza, destinado a ajudar empresas de setores afetados pela crise econômica internacional, tiveram os juros reduzidos. O Conselho Monetário Nacional (CMN) diminuiu de 9% para 8% ao ano as taxas cobradas em tais financiamentos.

A redução dos juros foi decidida em reunião extraordinária do CMN no início da noite desta quinta (5). O número de setores beneficiados e as demais condições da linha de crédito, como prazo e carência, foram mantidos. Entre os setores contemplados pelo Revitaliza, estão frutas, pedras ornamentais e indústria de brinquedos, de têxteis e de calçados.

Operadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e por instituições credenciadas ao banco de fomento, as linhas do Programa Revitaliza oferecem R$ 6,7 bilhões a 20 setores da economia afetados pela crise internacional. Os financiamentos podem ser usados para estimular as exportações e os investimentos. As empresas de cada setor podem pegar até R$ 150 milhões emprestados.

Os financiamentos para investimento podem ser pagos em até 96 meses (oito anos), com 36 meses (três anos) de carência – prazo para o beneficiário começar a pagar o empréstimo. Para as exportações, as linhas têm prazo de 36 meses, com 18 meses (um ano e meio) de carência. As linhas estão disponíveis até 31 de dezembro de 2013.

De acordo com o Ministério da Fazenda, a mudança ocorreu para concluir o ajuste das linhas de crédito do BNDES ao atual cenário econômico. Na semana passada, o CMN reduziu de 6% para 5,5% ao ano a taxa de juros de longo prazo (TJLP), cobrada na maioria dos financiamentos do banco.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias