DÍVIDA

Oi avaliará plano alternativo e sugestões de credores

Uma das possibilidades em discussão seria, por exemplo, trocar parte da dívida por equity assim que o plano for aprovado

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 17/12/2016 às 16:27
Foto: Divulgação
Uma das possibilidades em discussão seria, por exemplo, trocar parte da dívida por equity assim que o plano for aprovado - FOTO: Foto: Divulgação
Leitura:

A Oi informou que irá analisar o plano de recuperação judicial alternativo apresentado neste sábado (17) por um grupo de credores e o empresário egípcio Naguib Sawiris. A avaliação, explicou, será feita "juntamente com as demais sugestões que surgiram ao longo de encontros com outros credores que estiveram com a Oi até agora, como o assessor financeiro G5 Evercore, além dos bancos Itaú, Banco do Brasil, Caixa e BNDES".

Uma das possibilidades em discussão seria, por exemplo, trocar parte da dívida por equity assim que o plano for aprovado. "A Oi acredita que o resultado destas negociações deverá refletir uma proposta final que garanta a viabilidade operacional e a sustentabilidade da companhia e que atenda credores, acionistas e demais partes interessadas, permitindo que a Oi saia mais fortalecida ao final deste processo", diz em nota.

A companhia disse ainda que o encontro de hoje faz parte de reuniões regulares que a companhia vem mantendo com credores, no sentido de ouvir sugestões referentes ao plano de recuperação judicial apresentado pela companhia em setembro. "Este plano contém a proposta feita pela Oi aos credores, que poderão apresentar sugestões que serão negociadas no âmbito do processo, como é natural no caso de recuperação judicial", informou.

MAL VISTA

A proposta não foi bem recebida por acionistas da companhia ouvidos pela reportagem. A visão é de que o plano alternativo entrega a companhia para os "bondholders" e prevê um investimento pelo egípcio "muito abaixo do esperado". "O Sawiris aparece como um mero minoritário, mas quer controlar a companhia investindo apenas US$ 250 milhões", afirmou um representante de acionista sob a condição de anonimato.

 

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias