PESQUISA

Número de famílias endividadas cai 3,9% em 2016, diz CNC

Por outro lado, as famílias que seguem com dívidas estão com mais dificuldade para pagá-las

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo
Publicado em 24/01/2017 às 10:33
Foto: Fotos Públicas
Por outro lado, as famílias que seguem com dívidas estão com mais dificuldade para pagá-las - FOTO: Foto: Fotos Públicas
Leitura:

O número de famílias brasileiras endividadas caiu 3,9% em 2016 ante 2015, informou nesta terça-feira (24), a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que divulgou a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic).

Na média do ano passado, a Peic identificou 9,2 milhões de famílias endividadas, contra 8,9 milhões em 2015. Com isso, 58,7% do total de famílias entrevistadas disseram ter dívidas ano passado. Em 2015, 61,1% diziam estar nessas condições.

Famílias que seguem com contas em atraso

Por outro lado, as famílias que seguem com dívidas estão com mais dificuldade para pagá-las. Entre as famílias endividadas, 23,6% disseram ter contas em atraso, na média de 2016, ante 20,9% em 2015. Em termos absolutos, o número de famílias com contas atrasadas subiu 18,4% de 2015 para 2016, chegando a 3,6 milhões.

Segundo a CNC, como em anos anteriores, o cartão de crédito foi o tipo de dívida mais citado pelos entrevistados. Em 2016, 77,1% das famílias disseram ter esse tipo de dívida. O carnê vem em segundo lugar, apontado por 15,4% dos pesquisados. O crédito pessoal ficou em terceiro, com 10,3%.

"A queda do nível de endividamento e o aumento da inadimplência foram reflexos da retração da economia doméstica em 2016. A desaceleração do consumo proveniente da piora do mercado de trabalho e das altas taxas de juros ocasionou maior dificuldade às famílias para honrar os seus compromissos no período", diz um trecho da nota divulgada pela CNC.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias