BOLSA

Bolsa é suspensa temporariamente e negócios são todos paralisados

Quando a Bovespa alcança um limite de baixa de 10% em relação ao índice de fechamento do dia anterior, os negócios são todos paralisados de forma automática durante 30 minutos

Talita Barbosa
Talita Barbosa
Publicado em 18/05/2017 às 11:58
Foto: Agência Brasil
Quando a Bovespa alcança um limite de baixa de 10% em relação ao índice de fechamento do dia anterior, os negócios são todos paralisados de forma automática durante 30 minutos - FOTO: Foto: Agência Brasil
Leitura:

O pregão da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) foi interrompido por meia hora na manhã desta quinta-feira (18), por volta das 10h30. A paralisação ocorre graças ao "circuit breaker", mecanismo de limitação de perdas na bolsa brasileira que serve para garantir proteção à volatilidade excessiva em momentos incomuns do mercado.

Quando a Bovespa atinge um limite de baixa de 10% em relação ao índice de fechamento do dia anterior, os negócios são todos paralisados automaticamente por 30 minutos.

Caso a variação da Ibovespa atinja uma queda de 20% em relação ao índice de fechamento do dia anterior, os mercados podem ser interrompidos por qualquer prazo definido pela B3 - antiga Bovespa.

O Ibovespa apresentou queda de 10,47% para 60.470 pontos, às 10h20. Antes da suspensão, a pior queda era da ação da Cemig: 41,66%, a R$ 5,14.

Entre as estatais, Banco do Brasil (BB) tinha o pior desempenho, desabando 24,58%, para R$ 25,50.

 Última ocorrência

A última vez que o circuit breaker foi acionado na bolsa do Brasil ocorreu em outubro de 2008, no ápice da turbulência mundial que teve início com a crise de hipotecas nos EUA.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias