Repercussão

Bovespa cai mais de 10% e interrompe negociações

Presidente Michel Temer foi acusado ontem pelo dono da frigorífica JBS de dar aval para compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha

Da editoria de economia
Da editoria de economia
Publicado em 18/05/2017 às 10:30
Foto: Wikipedia/reprodução
Presidente Michel Temer foi acusado ontem pelo dono da frigorífica JBS de dar aval para compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha - FOTO: Foto: Wikipedia/reprodução
Leitura:

O principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo caiu mais de 10% e teve seus negócios interrompidos por volta das 10h20 da manhã desta quinta-feira (18) em virtude dos recentes acontecimentos políticos. Na noite dessa quarta-feira (17), o dono do frigorífico JBS disse ter gravado o Presidente Michel Temer para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha depois que ele foi preso durante as investigações da operação Lava Jato. 

A interrupção dos negócios da Bolsa se deu através do circuit braker, um mecanismo de controle da oscilação dos índices. Quando as cotações superam os limites estabelecidos de alta ou baixa, as negociações são interrompidas para evitar movimentações muito bruscas. O circuit Braker acontece quando a baixa do Ibovespa - o índice da Bovespa - atinge 10%.

Os negócios devem ser retomados por volta das 10h50, após paralisação de trinta minutos. Se a queda persistir, porém, serão novamente interrompidos quando a baixa atingir 15%. Neste caso, o tempo de paralisação será de uma hora.

Véspera

Na véspera, o Ibovespa caiu 1,67%, a 67.540 pontos, após subir por 6 pregões seguidos (o pregão nada mais é do que o funcionamento do mercado, quando as pessoas realizam suas ofertas de compra e venda), graças ao cenário externo de aversão a risco e  diante de preocupações com o governo do presidente norte-americano, Donald Trump.

O jornalismo profissional precisa do seu suporte. Assine o JC e tenha acesso a conteúdos exclusivos, prestação de serviço, fiscalização efetiva do poder público e muito mais.

Apoie o JC

Últimas notícias